“Houve compra de votos” placar fica 2 a 1 a favor de Melo. Barroso vota pela cassação e novas eleições

O ministro do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Luis Roberto Barroso, votou pela cassação do mandato do governador do Amazonas, José Melo (PROS). Em seu voto, Barroso disse que durante a campanha eleitoral de 2014 houve compra de votos.

Barroso começou a declarar seu voto resumindo o relato que embasou o voto do relator Napoleão Nunes Maia. “O ministro relator, à semelhança do TRE-AM, afirmou que há robusto e insofismável acervo probatório por parte de Nair Blair (empresário envolvida no caso). A afirmação é do ilustre ministro Napoleão. Porém, sua excelência entendeu que não havia provas suficientes, que não havia conhecimento da anuência ou ciência da captação ilícita de sufrágio dentro do comitê de campanha”, disse. O ministro deu ênfase à palavra “dentro”.

Barroso citou uma série de decisões anteriores do TSE que entendeu por cassar candidatos em função da participação de pessoas ou parentes dos acusados na compra de votos. “Compra de votos pode ser comprovada por ser feita por pessoa com quem teve forte envolvimento ou parentesco. (Nos autos) há elementos que são mais contundentes que estes dos precedentes do TSE”, afirmou.

O ministro disse que as provas do conhecimento de Melo sobre a compra de votos estão nos relatos das várias testemunhas da participação de Nair na campanha, conforme admitiu a ministra Luciana Lóssio, que votou antes dele. A ligação de Nair era com Evandro Melo, irmão do governador. “Os candidatos a governador e vice governador tinham ao menos ciência dos fatos”, disse Barroso.

ver mais notícias