Documentos comprovam que qualificação da empresa "Novos Caminhos" que desviou milhões da saúde teve o aval de Omar, Melo e Alecrim

1fbb75d2-ba66-4090-8b20-68c68dd820daDocumentos já do conhecimento público, alguns usados, inclusive, nos cadernos editoriais dos veículos de comunicação local, atestam com clareza solar que as impressões digitais do ex-governador Omar Aziz (PSD), atual senador da República, assim como a do ex-secretário de Saúde, médico Wilson Alecrim, e do governador José Melo (Pros), estão marcadas com os dez dedos na decantada “Novos Caminhos” – a tal que desviou da saúde do Amazonas R$ 115 milhões – desde o seu estado embrionário e gestação até o nascimento da mesma.Em 20014, Alecrim determina, conforme ordem de serviço 0001/2014 – GSUSAM, a criação de uma equipe técnica para avaliar – digamos assim – a necessidade de subsidiar a comissão permanente de Qualificação de Organização social sobre a conveniência e oportunidade de Qualificação de entidade social para a Gestão Administrativa e Operacional das Unidades de Pronto Atendimento UPA 24hs Enfermeira Celina Villacrez Ruiz, Campos Sales e Maternidade Celina Vilacrez Ruiz.

Em outro documento, Alecrim atesta ser conveniente e oportuno ao governo do Amazonas a descentralização para as UPAS, previsto, segundo ele, nas políticas e programas de reforma do estado.

Antes, porém, no ano de 2013, processo 7.523/2013 – Casa Civil, o então governador Omar Aziz, autorizava a descentralização da gestão administrativa e operacional das mesmas UPAs tratadas por Alecrim.
susam-3 susam-1

No dia 04 de fevereiro, Omar autoriza a descentralização, abrindo caminho em definitivo para a famigerada Novos Caminhos, controlada pelo médico e empresário Mouhame Mustafa, preso pela Polícia Federal acusado de comandar uma Organização Criminosa que desviou da saúde do estado a bagatela de R$ 115 milhões para promover sertanejos famosos e festinhas para celebridades tais como a “Mulher Melão”.

José Melo, ou “Melinho” para os íntimos, colocava o seu chamegão no dia 02 de julho de 2014, conforme decreto nº 34.960, qualificando como organização social a Sociedade de Humanização e Desenvolvimento de Serviços de Saúde Novos Caminhos.

Um trabalho feito a seis mãos, esgrimado pelos três mosquiteiros – dois governadores e um secretário de saúde -, que resultou na falência da saúde do estado, no fechamento de várias unidades de saúde e no elevado índice de mortes que poderiam ser evitadas com emprego do dinheiro que se escafedeu por “maus caminhos”.

Veja mais

a993f9de-ee00-4d20-a539-2e557cf84300 d0c719f5-8284-4c1d-aff4-a2c9d6b93a7e 82453c95-9d4f-4099-a3c7-a8c5a0fe0b5f
7df3ba3c-481e-4cbe-b2c8-f047292c0bea 22b6ad38-024a-4cd9-9975-333b202e6ae4 daf98557-2085-49cb-be33-60e6dbe8bbc7 bcd095e2-2cf9-490f-8338-727b7b9cf7d1 9c0a0414-95a5-475f-a59c-9923fff3cfba

ver mais notícias