Deputados querem eleição só para eles, já o Senador Eduardo Braga prefere disputar o voto popular

O senador Eduardo Braga (PMDB-AM) pediu aos advogados que desistam de recurso no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ou mesmo ao Supremo Tribunal Federal (STF), para que tome posse no lugar do governador José Melo, como segundo colocado na eleição de 2014. Braga prefere agora disputar o voto popular para chegar ao cargo. Os deputados estaduais, por outro lado, ensaiam recurso ao STF para pedido contrário: querem que o sucessor de Melo seja escolhido num colégio eleitoral formado apenas por eles. Essa ação, porém, tirando o povo da escolha do governante, ainda está sendo analisada e não foi concretizada.  

“Existe um conflito de lei na decisão do TSE, esse conflito é resolvido pela hierarquia das leis. Portanto, cabe sim uma consulta ao TSE, e ao jurídico para realizar uma eleição indireta, ao invés de direta”, disse.

A eleição direta foi uma decisão da própria Corte Eleitoral, mas os deputados da base aliada a José Melo buscam juridicamente transformar em eleição indireta passando a escolha para eles na Assembleia, onde José Melo e sua coligação ainda são representados pela maioria.

Marcelo Ramos

O advogado Marcelo Ramos (PR), segundo colocado na eleição do ano passado para prefeito de Manaus, recebeu carta branca do presidente do seu partido no Amazonas, deputado federal Alfredo Nascimento, para se candidatar ao Governo do Estado. Vai entrar na briga do voto direto.  

Silas Câmara

O deputado federal Silas Câmara (PRB-AM) anuncia que também disputará o Governo do Estado. Tem como trunfo, além do recall de terceiro colocado no 1º Turno da eleição para prefeito de Manaus, recente visita a todos os Municípios do interior.   Data da eleição Yedo Simões, em entrevista coletiva de hoje (05/05), pela manhã, praticamente confirmou que a eleição para governador do Amazonas será no dia 6/8, em 1º Turno, e 27/08, caso haja necessidade de 2º Turno. É que resolução do TSE exige que os dois turnos sejam disputados no mesmo mês. E Yedo revelou que precisa tomar uma série de providências, incluindo licitações, que demandam tempo.  

Custo

O custo da eleição suplementar para governador do Amazonas será o mesmo da eleição municipal do ano passado: R$ 17 milhões. O dinheiro sai do orçamento do TSE, que precisará buscar um extra para fazer frente à despesa inesperada.   Ineditismo José Melo é o primeiro governador do Amazonas cassado pela Justiça Eleitoral. Gilberto Mestrinho, o outro cassado, foi um dos políticos atingidos pela ditadura militar. O Amazonas receberá também a primeira eleição suplementar para governador.  

 

ver mais notícias