Afeam empresta R$ 20 milhões para empresa do Rio de Janeiro e deixa de atender milhares de pequenas empresas de Manaus

124367_697x437_crop_58028374b4d69No momento em que o governador do Estado, José Melo, faz cortes em todos os setores do Estado, principalmente na Saúde, para,  segundo ele, tentar economizar R$ 500 milhões por ano, a Agência de Fomento do Amazonas (Afeam) aplicou R$ 20 milhões em cotas de um autodenominado  Fundo de Investimentos em Participações Expert (FIP Expert), que, no final das contas, é um investimento na empresa de transporte de valores Trans Expert, do Rio de Janeiro.

 

 

Além da aplicação no FIP Expert, a Afeam subscreveu cotas em outro fundo de Investimentos em Participações, o FIP Criatec 3. O investimento total é de R$ 5 milhões, do qual já foram pagos pela Afeam, em 2016, R$ 150 mil.
O gestor do FIP Expert é a Interativa Investimentos. Já o banco administrador é o BNY Mellon. O agente fiduciário, que é um banco que se responsabiliza, se houver alguma má-fé do investidor que está captando os recursos, é a empresa Planner.

Veja matéria completa no Portal D24 http://new.d24am.com/noticias/amazonas/afeam-injeta-20-milhoes-empresa-janeiro/159280

Enquanto isso, tíquete refeição é cortado

Desde o dia 2 de maio, o governador do Amazonas, José Melo (PROS), reduziu de oito para seis horas a jornada de trabalho de aproximadamente  30 mil servidores da administração pública  e mandou cortar  o tíquete alimentação de mais de 90% dos funcionários, alegando que pretende   economizar cerca de R$ 60 milhões até o final deste ano. Em março, o governador anunciou que o Estado  deveria  reduzir entre R$ 300 milhões e R$ 400 milhões, em 2016, na Saúde, para, segundo ele, evitar o fechamento de hospitais.
Com o mesmo argumento, de economizar recursos, o governo informou, em maio deste ano, que iria fazer um reordenamento no sistema de saúde, para economizar R$ 316 milhões, com o fechamento de  Centros de Atenção Integral ao Idoso (Caimis) e Centros de Atenção Integral à Criança (Caics). Este ano, o governo do Estado também informou que não poderia reajustar nenhum centavo nos salários dos servidores públicos, alegando economia de recursos.

 

ver mais notícias