Serial killer com mais de 30 homicídios prepara livro contando sua história

Padre afirmou que seu trabalho é “evangelizar e não concordar com os crimes cometidos” depois de ter ajudado o criminoso a escrever o livro.

Tiago Henrique Gomes da Rocha, 29 anos, tomou uma decisão que tem revoltado as famílias das vítimas. O serial killer responde a mais de 30 homicídios e j foi condenado em 27 júris populares, anunciou que irá lançar o livro.

Tiago contará história por trás de um “serial killer”, obra que ele escreveu na prisão e fala sobre os crimes que ele cometeu, bem como sobre seu momento de conversão espiritual. ele teve apoio do padre Luiz Augusto Ferreira da Silva, apontado como servidor fantasma da Assembleia Legislativa de Goiás (Alego).

A repercussão negativa fez com que o sacerdote emitisse uma nota na qual lamenta que o lançamento da obra possa ser tratada como “algo absurdo”.

Além disso, o clérigo afirma que a história é de total responsabilidade de Tiago e que que seu trabalho no presídio é de “evangelizar e não concordar com os crimes cometidos”.O padre garante que, com a obra, Tiago quer mostrar arrependimento. “O Deus que consola os familiares das vítimas é o mesmo Deus que perdoa e não desiste da salvação de todos nós pecadores”, finaliza. Leia a íntegra no fim da matéria.

A nota não acalmou os ânimos dos familiares das vítimas, que estão revoltados com a publicação. “Para mim, não vai trazer benefício nenhum, só mais tristeza. Não aceito, não. Para mim, é tocar na minha ferida a cada dia”, lamenta o mecânico Francisco Carvalho, pai da adolescente Arlete dos Santos, morta por Tiago aos 16 anos com um tiro no peito.

Nota de esclarecimento do Padre Luiz Augusto
Lamento profundamente a repercussão da possibilidade do lançamento de um “livro” pelo Tiago Henrique como se fosse algo absurdo. As considerações veiculadas nas redes sociais, conforme me foram repassadas logo de manhã, não têm nenhum fundamento.Vou ao complexo penitenciário para evangelizar, não para concordar com o crime cometido por nenhum dos reeducandos. Quanto ao “livro”, não há participação de nenhuma outra pessoa; o Tiago Henrique é o único redator, cuja proposta é mostrar o seu arrependimento e também o seu processo de conversão.

“Em que momento do meu passado perdi o controle? Tenho dentro de mim um sentimento forte, é uma pena eu não ter direcionado esse sentimento para o caminho certo mas nunca é tarde para isso’’ (…)

Familiares de algumas vítimas já expressaram, por meio de cartas, o perdão ao Tiago Henrique, mesmo vivendo uma dor irreparável. Acredito que esta é a atitude cristã: condenar o pecado e acolher o pecador, oferecendo-lhe a possibilidade de uma vida nova.

O que causa toda essa repercussão, pelo fato do lançamento de um “livro” por um reeducando, é justamente por muitos não crerem nessa possibilidade. O que coloca em choque não apenas a fé cristã, mas também o judiciário. Como fica então a pratica do evangelho: “estava na prisão e viestes a mim? ”

O Deus que consola os familiares das vítimas, é o mesmo Deus que perdoa e não desiste da salvação de todos nós pecadores.

Pe. Luiz Augusto

 

ver mais notícias