Norovírus causa perda anual de mais de R$ 227 bilhões no mundo

Um vírus sobre o qual pouco se ouve falar, mas que adoece cerca de 700 milhões de pessoas ao redor do mundo é o responsável pela perda de mais de US$ 64 bilhões anuais — o equivalente a mais de R$ 227 bilhões. O norovírus é extremamente comum e é transmitido tanto por água e alimentos contaminados quanto de pessoa para pessoa — especialmente quando não se lava as mãos — causando gastroenterite, e sintomas como diarreia, náuseas e vômitos. Pesquisadores da Escola Bloomberg de Saúde Pública da Universidade Johns Hopkins, nos EUA, concluíram que esses problemas gastrointestinais provocam uma alta queda na produtividade, que pode ser medida a partir dos dias que as pessoas deixam de trabalhar devido a doenças relacionadas ao norovírus, ou porque precisam ficar em casa cuidando de uma criança doente, por exemplo.

Com um modelo de computador capaz de estimar o quanto, em dinheiro, essa perda de produtividade afeta o mundo, os cientistas chegaram à conclusão de que esse vírus retira de circulação do mercado US$ 60,3 bilhões, mais US$ 4,2 bilhões que são gastos nos serviços de saúde para cuidar de quem está infectado. Os resultados foram publicados ontem na revista científica “PLoS One”.

Ao contrário de outros vírus causadores de infecções no intestino, o norovírus tem uma grande capacidade de transmissão e afeta pessoas de todas as idades — seu parente bem mais conhecido, o rotavírus, infecta basicamente crianças abaixo dos 5 anos de idade e pode ser combatido com vacinação. Para o norovírus não há qualquer tipo de imunização ou tratamento específico, e o custo social gerado pelo rotavírus antes de a vacina surgir era de “apenas” US$ 2 bilhões.

VACINA ESTÁ DISTANTE

Membro da Sociedade Brasileira de Infectologia, Leonardo Weissmann explica que uma das características do norovírus é passar por frequentes mutações, o que dificulta a elaboração de uma vacina.

— O norovírus é a principal causa de gastroenterite não bacteriana no Brasil. O principal problema é que ele é um vírus que sofre muitas mutações, um grande empecilho para a criação de uma vacina — explica. — Mesmo se for criada, esta vacina pode se tornar inútil em pouco tempo, então a prevenção é o melhor tratamento.

Para se prevenir, é recomendado que as pessoas lavem bem as mãos antes das refeições, ao sair do banheiro e depois de manusear dinheiro. Além disso, é preciso cuidado no armazenamento de água e alimentos. Para quem já está infectado, a única recomendação é beber muito líquido.

— Se não houver hidratação adequada, o vírus pode levar à morte — lembra Weissmann.

Estima-se que ocorram 219 mil mortes por ano no mundo em decorrência dos vários tipos de norovírus. É comum que haja surtos em lugares com aglomerações de pessoas em ambiente restrito, como navios, creches e escolas. De acordo com a pesquisa da Universidade Johns Hopkins, o vírus tem grande incidência tanto em países ricos quanto pobres.

— Costuma-se ouvir sobre o norovírus só quando as pessoas ficam doentes em um cruzeiro, mas ele está em toda parte — diz a principal autora do estudo, Sarah M. Bartsch. — Não importa quantos anos você tem ou se você vive em um país rico ou se você já teve norovírus antes, porque você pode se infectar.

Para a pesquisadora, a identificação do custo global desse vírus ajuda funcionários e financiadores da saúde pública,e políticos a melhor alocar atenção e recursos para a prevenção e o controle do norovírus, inclusive com campanhas informativas.

ver mais notícias