Erro médico causa a morte cerebral de paciênte da FCecon em Manaus

DIA_C3_FCECON_ALEXANDREFONSECA_ARQUIVOEMTEMPOA Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado do Amazonas (FCecon) instaurou uma sindicância interna para apurar, junto à terceirizada Pronefro, a denúncia da família de uma paciente de erro de transfusão de sangue, conforme a assessoria de imprensa da FCecon. A falha, segundo a filha da paciente, Rozilane Teixeira Pessoa, teria causado a morte cerebral de Maria de Nazaré Teixeira Pessoa, de 59 anos.Rozilane Teixeira contou que uma técnica de enfermagem da empresa Pronefro identificada apenas como ‘Ivana’, que presta serviço para FCecon, aplicou sangue tipo A na mãe dela que tem sangue tipo O, na última terça-feira, dia 26. Segundo Rozilane, Maria sofre com a paralisação dos rins e tem câncer no estômago.

Ainda de acordo com a filha da paciente, Maria, que está internada na FCecon desde o dia 19 de julho, estava lúcida antes da transfusão de sangue.

“Depois disso, minha mãe começou a se debater e a passar mal. Ela teve um AVC (Acidente Vascular Cerebral) às 13h40 da terça-feira. A hemodiálise tinha começado as 9h50. Colocaram uma bolsa e meia de sangue na minha mãe. A técnica da Pronefro confundiu os nomes, pois outra Maria de Nazaré era quem deveria fazer a transfusão naquele dia”, explicou Rozilane.

Por meio da assessoria de imprensa, a direção da FCecon informou que “a paciente deu entrada no setor de Urgência e Emergência da instituição com quadro de infecção de corrente sanguínea de provável foco urinário e câncer de estomago localmente avançado”.

A instituição afirmou, ainda, que a paciente “recebeu os cuidados necessários, o que incluiu a avaliação e acompanhamento de equipe multidisciplinar e a administração de antibióticos e outras drogas na tentativa de estabilizar seu quadro clínico e que a direção se coloca à disposição da família para qualquer esclarecimento”.

Rozilane e a irmã dela registraram um Boletim de Ocorrência (B.O), no 10º Distrito Integrado de Polícia (DIP), denunciando o erro de transfusão de sangue.
Segundo Rozilane, na manhã de ontem, a família que recebeu um boletim médico  com informações de que Maria de Nazaré Teixeira Pessoa estava com suspeita de morte cerebral.

“A minha mãe esta na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) e o médico dela nos informou que ela está com suspeita de morte encefálica. Aqui (FCecon), eles fizeram descaso com a situação. Nós pedimos os nomes das técnicas dessa empresa (Pronefro) e eles não deram, foi preciso a gente chamar um advogado e mesmo assim só deram o primeiro nome. Também não querem dar o prontuário médico”, disse.

A família acionou o Instituto Médico Legal (IML) para avaliar o estado de saúde de Maria, mas a previsão é que a avaliação seja autorizada dentro de sete a dez dias.

Matéria do D24

ver mais notícias