Abandonados pela família, depois de sofrerem 'traumas' há mais de um ano no Hospital João Lúcio

Seis pessoas entraram no Hospital e Pronto-Socorro João Lúcio, na Zona Leste, por meio do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e, desde então, não foram procuradas por familiares e sequer recebem visitas. Por isso a equipe de assistência social da unidade hospitalar recorreu à imprensa para a divulgação de imagem das pessoas que, entre os casos mais antigos, aponta para uma mulher que, no próximo dia 30, completa um ano no hospital.

 

De acordo com a coordenadora de Serviço Social do hospital, Fabiana Maciel, todos os seis pacientes chegaram na unidade trazido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Entre os casos, uma mulher não identificada vai completar um ano no dia 30 deste mês na unidade. Outra mulher, também não identificada, está desde dezembro do ano passado. Ambas estão desacordadas e se alimentam através de sondas.

“Dos seis, elas duas são as únicas NIs [não identificadas]. Os outros conseguiram falar os nomes, mas não tenho certeza se realmente estão corretos. Por isso, pedimos a colaboração na divulgação das imagens para ver se alguém os reconhecem”, falou a assistente social.

Ismael Frota dos Santos, como se identificou aos enfermeiros, chegou há duas semanas e está em estado grave na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Outro em estado grave é o Jacinto Bragança da Silva, o homem está se alimentando por meio de sonda.

Guilherme Nascimento chegou no hospital no dia 17 desde mês com uma facada no pescoço. A perfuração, segundo a assistente social, atingiu as cordas vocais do paciente.

“ O seu Guilherme conseguiu falar que trabalha na feira da Manaus Moderna. Acreditamos que ele seja morador de rua, mas não temos certeza. Alguns deles conseguiram passar uns números de telefones, mas as ligações não completam”, contou Fabiana.

Segundo a assistente social, o mais jovem entre os pacientes deu entrada no dia 24 desde mês, com um corte no pescoço. O jovem informou que se chama ‘Smile’. Ele possui uma tatuagem com um desenho de dragão em uma das pernas.

Quem reconhecer quaisquer um dos pacientes, basta se dirigir até o hospital e procurar a assistência social ou, ainda, ligar para o número (92) 3249-9062.

Matéria e Fotos do Portal Emtempo

ver mais notícias