Temor com menor crescimento global faz dólar subir a R$ 3,624

SÃO PAULO – As preocupações com o ritmo da economia global pressionam os mercados financeiros nesta quarta-feira. A moeda americana era negociada em alta, às 10h53, cotada a R$ 3,622 para a compra e a R$ 3,624 na venda, valorização de 0,27% ante o real. Já a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) registrava queda de 0,15%, aos 48.398 pontos.

Os investidores devem repercutir a divulgação do Produto Interno Bruto (PIB) do primeiro trimestre desse ano. A contração foi de 0,3% ante os três meses imediatamente anteriores. Apesar da queda, o resultado veio melhor que o esperado, que era uma queda de 0,8%.

No exterior, o “dollar index” tem queda de 0,51% ante uma cesta de dez moedas. O índice é calculado pela Bloomberg. No entanto, o movimento é de alta no Brasil refletindo a queda do preço das commodities no mercado externo. O minério de ferro registrou queda de 3,49% na China, a US$ 48,40 a tonelada. O barril do petróleo Brent cai 1,96%, a US$ 48,91.

— O resultado foi melhor que o esperado ,mas ainda é um dado ruim. Esse dado está sendo neutro para os negócios. O cenário para frente é de risco político e uma atenção às medidas econômicas. Do ponto de vista externo, há um aumento da aversão ao risco após a divulgação de dados ruins com os dados de manufatura na China e na Europa — afirmou Raphael Figueredo, analista da Clear Corretora.

Na avaliação de analistas, esse resultado pode beneficiar alguns papéis no decorrer do pregão. “Olhando para frente, nós esperamos que a economia brasileira continue a se contrair nos próximos trimestre com o consumo do governo deve se enfraquecer dada a necessidade de apertar a política fiscal”, afirmou, em relatório, Luciano Rostagno, estrategista do Mizuho Bank.

Os analistas da Yield Capital estão ainda de olho na sessão da comissão da Câmara que vai votar a Desvinculação de Receitas da União (DRU) de 30%, que vigoraria até 2019.

Na Bolsa, os papéis da Petrobras operam em queda de 1,36%, com os preferenciais (PNs, sem direito a voto) cotados a R$ 7,93, e os ordinários (ONs, com direito a voto) com recuo de 1,08%, a R$ 10,07.

No caso da Vale, a queda é de 1,86% nos PNs e de 1,12% nos ONs. As ações preferenciais do Bradesco, que ontem tiveram forte queda após o indiciamento do presidente do banco, Luiz Carlos Trabuco, no âmbito da operação Zelotes, apresentam alta de 0,96%.

No exterior, os principais índices do mercado acionário europeu operam em queda. O DAX, de Frankfurt, cai 0,86% e o CAC 40, da Bolsa de Paris, tem queda de 0,99%. Já o FTSE 100, de Londres, registra desvalorização 1,18%.

ver mais notícias