Retrovisor: 6 de junho de 1949 - Jaguar XK 120 bate o recorde de velocidade

RIO – Uma notinha publicada no GLOBO de 6 de junho de 1949 dava conta de uma façanha automobilística ocorrida na Europa, em 30 de maio daquele ano: “Um carro Jaguar modelo esporte dirigido pelo chefe de provas da companhia teria alcançado a mais alta velocidade já registrada para carros normais de passeio.”

O texto se referia ao recém-lançado XK 120, hoje considerado um dos maiores clássicos de todos os tempos. Visto em público pela primeira vez no Salão de Londres de 1948 como um carro-conceito criado apenas para apresentar o motor XK, o protótipo causou tamanha comoção que foi posto em produção. Os primeiros 242 exemplares tinham carroceria de alumínio. O número 120 representava sua velocidade máxima em milhas (equivalente a 193km/h).

Havendo uma reta longa o suficiente, e submetido a ligeiras modificações, o carro podia ser ainda mais rápido. Era o caso do Jaguar que foi assunto do GLOBO. Com para-brisa menor, quarta marcha mais longa e capotinha marítima cobrindo o banco do carona, o XK 120 em questão foi pilotado por Roland Manners Verney Sutton. O relato prosseguia: “Na auto-estrada Ostende-Jabbeke, funcionários do Automóvel Clube Belga registraram a velocidade de 213km/h. Ao que se diz, essa velocidade é tão superior à alcançada geralmente por carros tipo esporte que constitui feito notável da indústria britânica”.

E o XK 120 já atraía interessados de fora, pelo que se pode ler na mesma nota: “O Jaguar custa 1.000 libras (75 contos). Os pedidos até agora recebidos, só dos Estados Unidos — baseados unicamente em fotografias e especificações do carro — são suficientes para absorver toda a produção do ano”.

Fato é que, já em 1949, o XK 120 chegou ao Brasil importado pela firma Goodwin, Cocozza S.A. (com sede na Avenida Rio Branco, 20, essa companhia também distribuía os Land Rover por aqui). Os compradores do Jaguar eram os grandes playboys da época, como Bob Falkenburg, fundador da rede de lanchonetes Bob’s.

Nos anos seguintes, o XK 120 voltaria a ser citado no GLOBO, mas nas páginas de esportes, pela participação em provas como o Quilômetro de Arrancada na Lagoa Rodrigo de Freitas (1951), o Circuito da Gávea de 1953 e o I Circuito Automobilístico de Botafogo (em 1956). Dos 12.055 exemplares de XK 120 fabricados entre 1948 e 1954, é razoável supor que cerca de 200 tenham vindo para o Brasil.

ver mais notícias