Recessão não atinge estagiários no Amazonas

Em um dos anos mais ‘apertados’ economicamente, a saída para empresas da indústria, comércio, serviços e órgãos públicos no Amazonas, foi buscar mão de obra nos programas de estágios, que mesmo em período de recessão continuam gerando interessados nas vagas e a um custo reduzido para os empregadores. Segundo a Abres (Associação Brasileira de Estágios), o mercado de trabalho jovem se mantém otimista, apesar da recessão.
estagio2
Segundo a entidade, um em cada dez estudantes do ensino superior participa de algum programa de estágio -são 740 mil ao todo. Já os alunos dos ensinos médio e técnico somam 260 mil. São mais de um milhão de estagiários no país e, apesar dos percalços da economia, as empresas vêm apostando nesses programas como forma de investir no futuro e ter uma equipe preparada quando a economia nacional voltar a aquecer.
A hora e a vez
Um bom exemplo dessa procura foi o ‘Hora do Salto’, evento que faz parte do maior movimento empreendedor realizado em todo o mundo, a ‘Semana Global do Empreendedorismo’. Ocorrido no último dia 14, o evento foi mais que um feirão de estágios, conta o vice-coordenador da CDL Jovem Manaus (Câmara de Dirigentes Lojistas Jovem de Manaus), Luiz Eduardo Leal.
“As empresas querem contratar, mas falta ainda achar o diferencial pedido por estas. No evento buscamos candidatos com capacidade empreendedora e resiliência. Foram ofertadas vagas para campos específicos de atuação e também generalistas, mas em qualquer modalidade, ter destaque foi essencial”, disse Leal que acredita que a captação de currículos pelas empresas participantes irá gerar novas vagas. “Muitos saíram empregados e outras vagas serão preenchidas, o finalista já descobriu que o estágio tem de ser mais que uma obrigatoriedade de fim de curso”, finaliza.

Na Corte de Contas
Recordista na procura por vagas de estágio (3,5 mil estudantes inscritos em 2016), o TCE-AM (Tribunal de Contas do Estado do Amazonas) abriga nos gabinetes dos conselheiros, auditores, procuradores e nos diversos setores, 139 estagiários das áreas de Direito, Ciências Contábeis, Economia, Biblioteconomia, Comunicação Social, Administração, Engenharia e Informática.
Para o conselheiro Ari Moutinho Júnior, os estágios são a oportunidade da aplicação e a consolidação dos conhecimentos adquiridos no curso acadêmico. “Nos corredores e gabinetes do Tribunal vemos nossos estagiários, tendo vivências práticas de um ambiente de trabalho. Essa experiência fez com que vários deles continuassem no TCE, em nosso quadro de funcionários”, comenta Moutinho.
No último dia 13, mais de 720 candidatos realizaram as provas do Processo Seletivo de Estagiários (PSE/2016) do TCE-AM, sendo 239 estudantes de direito, 132 de contabilidade, 109 de administração além de outras áreas. Os selecionados para estágio no TCE terão carga horária de 25 horas semanais (cinco horas diárias) e bolsa mensal no valor de R$ 812, mais auxílio-transporte valor de R$ 121 e seguro contra acidentes pessoais.

Capital intelectual
O INDT (Instituto de Desenvolvimento Tecnológico), que já pertenceu às gigantes Nokia e Microsoft é outro exemplo de absorção de talentos por meio de estágio, conta a gerente de RH do Instituto, Vanessa Milon. “O Programa de Estágio do INDT formou mais de 250 jovens que se tornaram profissionais muito bem colocados no mercado de trabalho. Esses profissionais são valorizados com possibilidades de disputarem vagas de trabalho em qualquer região do Brasil, bem como são assediados por empresas do exterior”, afirma a gerente.

Vantagens em recrutar estagiários
Por ser uma atividade de caráter educativo e complementar ao ensino, (regulamentada pela lei nº 11.788 de 25 de setembro de 2008), o estágio não é emprego e sim um complemento de aprendizado. A falta de vínculo empregatício é um dos principais atrativos para o empregador, assim como isenção de FGTS, INSS, Contribuição Sindical e pagamento de 13º salário e férias.

Fonte Jornal do Comércio

ver mais notícias