Receita do Yahoo cai 11,3% no primeiro trimestre, a US$ 1,09 bilhão

SÃO FRANCISCO – O Yahoo divulgou nesta terça-feira queda de 11,3% na receita total no primeiro trimestre, com o pioneiro da Internet encontrando dificuldades para impulsionar o crescimento em seu negócio principal de buscas e exibição de anúncios, os quais estão em processo de venda.

A receita total do Yahoo caiu para US$ 1,09 bilhão no trimestre encerrado em 31 de março, superando levemente as estimativas de analistas, ante US$ 1,23 bilhão de dólares um ano antes. Foi a primeira queda depois de quatro trimestre seguidos de crescimento. Analistas esperavam em média receita de US$ 1,08 bilhão, de acordo com a Thomson Reuters.

Após deduzir as taxas pagas a sites parceiros, a receita caiu 18% no período, chegando a U$ 859,4 milhões, informou a empresa em comunicado nesta quinta-feira. Um ano antes, o resultado foi de US$ 1,04 bilhão. Apesar do resultado menor, o montante foi maior que o esperado por analistas, que projetavam US$ 846,5 milhões.

Tal superação pode indicar possível progresso na liderança da diretora-executiva Marissa Mayer, que enfrenta fortes críticas de acionistas. Pressionada, a empresa lançou um processo de venda de seu negócio principal em fevereiro, após ter arquivado os planos para cindir sua parcela no e-commerce chinês Alibaba Group Holding.

Na segunda-feira, a Verizon Communications, a empresa de private equity TPG e a YP Holdings, que controla a Páginas Amarelas nos EUA, fizeram ofertas preliminares pelo negócio de Internet do Yahoo, segundo fontes próximas às negociações.

“Enquanto permanecemos focados no processo de alternativas estratégias como principal prioridade, nossos funcionários mostraram sua determinação e compromisso com o Yahoo ao executar nosso plano operacional”, afirmou Ken Goldman, diretor-financeiro no comunicado.

A companhia registrou uma perda atribuída ao Yahoo de US$ 99,2 milhões no primeiro trimestre, contra lucro de US$ 21,2 milhões no ano anterior. O lucro, excluindo alguns custos, foi de US$ 0,08 por ação, em linha com a expectativa de analistas consultados pela Bloomberg.

ver mais notícias