Opep vê menor demanda por petróleo em 2016 e aumento do excesso no mercado

LONDRES – A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) informou nesta segunda-feira que a demanda pelo petróleo em cru do grupo será menor do que o inicialmente pensado para este ano, enquanto os estoques de rivais se mostram mais resilientes aos preços baixos, aumentando o excesso de oferta nos mercados mundiais também em 2016.

A demanda por petróleo da Opep será, em média, de 31,52 milhões de barris por dia (bpd) neste ano, disse o grupo em um relatório mensal, 90 mil bpd menor que a previsão do mês passado. A Opep produziu 32,28 milhões de bpd em fevereiro, afirmou o grupo, citando fontes secundárias, 175 mil bpd menos que em janeiro.

O relatório aponta para um excesso de oferta de 760 mil bpd em 2016 se o grupo mantiver o bombeamento no mesmo nível de fevereiro, ante 720 mil bpd previstos no relatório do mês passado. A entidade, no entanto, revisou para cima o nível absoluto de fornecimento de países não-membros da Opep em 2015 e 2016, e afirmou que os esforços para manter a produção tornou a previsão ainda mais incerta.

“Houve uma redução nos custos de produção, principalmente nos Estados Unidos, assim como aumento de hedging, com produtores escolhendo produzir com perdas no lugar de parar a produção”, disse a Opep. “Isso causou tornou a previsão de oferta de países não-membros da Opep mais incerta”.

A Arábia Saudita liderou em 2014 uma mudança na estratégia da Opep para defender sua participação no mercado ao invés de cortar a produção para apoiar os preços, na esperança de desacelerar o crescimento de produtores rivais como os Estados Unidos. O movimento acelerou o colapso dos preços, que atingiram o ponto mais baixo em 12 anos (US$ 27,10) em janeiro.

O relatório da Opep não fez referência ao pré-acordo de 16 de fevereiro, no qual representantes da Rússia, Venezuela, Qatar e Arábia Saudita se dispuseram a congelar a produção em níveis de janeiro.

PRODUÇÃO IRANIANA EM ALTA

A produção iraniana de petróleo subiu no mês passado ao nível mais alto desde 1997 após a suspensão das sanções internacionais, indicou a Opep. O país aumentou o volume em 187,8 mil barris por dia para 3,13 milhões de bpd em fevereiro.

O Irã planeja aumentar a produção de petróleo para 4 milhões de bpd, antes de considerar se unir a outros produtores para reequilibrar o mercado, afirmou o ministro do Petróleo do país, Bijan Zanganeh no domingo, segundo agência de notícias local. O governo insiste que deve restaurar a produção aos níveis pré-sanções antes de se comprometer com qualquer acordo para congelar a produção, afirmou o ministro de Energia da Rússia, Alexander Novak, nesta segunda-feira, após encontro com Zanganeh em Teerã.

“O Irão deixou claro que só pretende assinar o limite de produção de petróleo uma vez que tenha alcançado um nível de produção de 4 milhões de barris por dia”, afirmaram analistas do Commerzbank AG em relatório. “Isso reduz as chances de qualquer acordo em grande escala de teto da produção”.

ver mais notícias