No Espírito Santo, apesar de crise do petróleo, contas no azul

RIO – Enquanto o Estado do Rio vive uma grave crise fiscal — teve déficit fiscal primário de R$ 4,17 bilhões no ano passado —, o vizinho Espírito Santo, também produtor de petróleo, se orgulha de ter minimizado os efeitos da crise no setor sobre seus cofres. Os capixabas fecharam o ano passado com as contas públicas equilibradas, garantindo superávit de R$ 206 milhões. Parte da diferença está relacionada à arrecadação dos tributos. No Rio, a queda do volume de impostos recolhidos foi de 28,71%, já descontada a inflação. No Espírito Santo, a retração foi bem menor, de 4,57%, de acordo com dados da plataforma Compara Brasil.

No ano passado, as contas do Espírito Santo foram impulsionadas principalmente pela alta em três tributos: ICMS, IPVA e do Imposto de Transmissão Causa Mortis e Doação (ITCMD), que incide sobre heranças e doações. Assim como no Rio, o ICMS é o imposto mais importante da economia capixaba e registrou alta de 4,96% no ano passado, contra avanço de 3,59% no Rio. O estado se beneficiou ainda da alta de 37,3% do ITCMD. Em relação às despesas, cortou 17% dos seus gastos. Nesse caso, o ajuste no Rio foi mais intenso, com redução de 19,87% no ano passado.

FISCALIZAÇÃO MAIS EFICIENTE

Segundo a secretária de Fazenda do Espírito Santo, Ana Paula Vescovi, parte do resultado positivo está relacionada à melhoria da gestão tributária, inclusive de fiscalização. Na prática, a estratégia aumenta o recolhimento de impostos sem elevar alíquotas. Uma das ações foi acelerar o andamento de julgamento de processos tributários.

— (Tivemos) ganhos de eficiência na arrecadação, absorção de tecnologias para que a gente pudesse fazer uma fiscalização mais eficiente, uma revisão ampla de normas. Fizemos um programa de recuperação de ativos, o Refis, com características diferentes dos tradicionais, que visa a abrir uma janela para que contribuintes se tornem adimplentes no estado — lista Ana Paula.

Parte desses ganhos foram com recuperação de dívida ativa, que injetaram R$ 483 milhões nos cofres estaduais. O montante compensou, com sobra, as perdas de R$ 416 milhões que o estado amargou com a queda da arrecadação de royalties de petróleo.

Embora seja fruto de uma melhora na gestão tributária, a professora da UFRJ Margarida Gutierrez, especialista em contas públicas, destaca que esse tipo de receita pode variar.

— Isso dá fôlego para uma hora dessas ter recursos para financiar gastos. Eles tiveram uma receita extraordinária. Ela funciona bem na hora da crise, mas não pode contar — avalia.

Para François Bremaeker, gestor do Observatório de Informações Municipais, a gestão tributária pode fazer a diferença, mas o efeito demora.

— (As duas economias) têm muita semelhança. A grande diferença está na queda da receita tributária. (A gestão tributária) pode fazer efeito, que não é imediato — afirma Bremaeker.

A economia do Espírito Santo é bem menor que a do Rio, o que se reflete nos orçamentos dos dois estados. No ano passado, despesas e receitas fluminenses foram da ordem de R$ 70 bilhões, contra R$ 15 bilhões do vizinho. Os efeitos da crise, no entanto, foram semelhantes.

O boom do petróleo na década passada fez com que, assim como no Rio, essa fonte de renda ganhasse importância nas contas capixabas. Para se ter uma ideia, em 2008, o dinheiro da exploração de óleo e gás era de apenas R$ 145 milhões, equivalente a 1,6% do total da arrecadação. Em 2015, saltou para R$ 1,3 bilhão, ou 9,19%. O governo avalia que é preciso depender menos dos royalties, já que a cotação da commodity dificilmente voltará ao patamar dos US$ 100 o barril, como ocorreu em 2014.

— Temos essa leitura, de que o mercado não se recupera a patamares anteriores. Nossa previsão é de US$ 40 (o barril de petróleo). O mercado está muito instável. Estamos tentando fortalecer ao máximo as receitas próprias, com a preocupação de não aumentar alíquotas de impostos. Nos interessa muito mais arrecadar de forma segura do que forçar uma marcha no aumento de alíquotas e ter um setor produtivo enfraquecido ainda mais. Nosso esforço é cobrir as brechas de sonegação, fazer uma arrecadação mais legítima — afirma Ana Paula Vescovi, secretária estadual de Fazenda.

REPENSAR GESTÃO DO PETRÓLEO

Ana Paula admite ainda que a gestão da receita do petróleo precisa ser repensada. No início dos anos 2000, quando a fonte de renda começou a ser relevante, os royalties eram destinados para investimento. A partir de 2010, começaram a ser incorporados na receita corrente. Ou seja, o Orçamento capixaba está mais exposto ao vaivém dos preços internacionais e do humor do mercado, que, no Brasil, sofre impactos adicionais por causa da crise da Petrobras.

— O Espírito Santo cometeu um erro histórico, de destinar essa renda ao custeio. O grande problema é que ela é uma renda volátil e quando ela falta, o custeio fica descoberto — avalia Ana Paula.

Para 2016, a expectativa é encerrar o ano com as contas equilibradas. Faz parte da estratégia do governo do estado enxugar despesas. Algumas ações são semelhantes às adotadas no Rio, como uma auditoria nas folhas de pagamento.

ver mais notícias