Mercado formal de trabalho fecha 72.615 vagas em maio

BRASÍLIA – O mercado formal de trabalho registrou em maio saldo liquido negativo de 72.615 postos – segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado nesta sexta-feira. Foi o 14º mês consecutivo de queda no nível do emprego. Apesar disso, o resultado negativo ficou abaixo do registrado no mesmo período do ano passado, que foi de 115.599 vagas – sinalizando uma redução no ritmo das demissões. Nos últimos 12 meses, o país perdeu 1.781 milhão de empregos com carteira assinada.

No mês passado, com exceção da agricultura e da administração pública, houve demissões generalizadas em todos os setores da economia. O ramo de serviço foi o que mais demitiu, com saldo negativo de 36.960 postos, seguido por comércio, que fechou 28.885 vagas e construção civil, mais 28.740. Na indústria de transformação, as demissões superaram as contratações em 21.162, sendo que apenas dois subsetores industriais criaram empregos, de alimentos e bebidas e de produtos químicos e farmacêuticos.

O Rio ficou em segundo lugar no ranking dos Estados que mais demitiram, com saldo negativo de 15.688 empregos, atrás do Rio Grande do Sul, que registrou 15.829 demissões. Em São Paulo, foram fechadas 12.177 vagas.

Para a economista do Departamento de Pesquisa e Estudos Econômicos (Depec) do Bradesco, Ariana Zerbinatti, com a ligeira melhora de alguns indicadores econômicos, como produção e confiança, a tendência é que o mercado formal de trabalho pare de piorar. Segundo ela, os diversos setores da economia, com exceção de serviços, já fizeram ajustes dos quadros de pessoal.

— A gente espera saldos negativos cada vez menores de agora em diante — destacou.

O resultado de maio veio abaixo do esperado pelo mercado, que projetava um corte médio de 90 mil vagas.

ver mais notícias