Meirelles: governo trabalha para que meta de 2017 seja inferior a R$ 170 bi

BRASÍLIA – O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou que o governo está trabalhando para que a meta fiscal de 2017 fique em um patamar menor do que o estimada para este ano, de R$ 170 bilhões. Ele reforçou que as contas feitas pela equipe econômica indicam que o rombo do ano que vem será superior a R$ 100 bilhões, mas destacou que, mesmo nessa situação, o déficit estaria em uma “trajetória declinante”.

— Estamos calculando e será divulgado no momento adequado a meta para o ano que vem. Certamente será um número negativo. Existe uma estimativa de que pode ser inclusive superior a R$ 100 bilhões, mas isso já mostrando uma trajetória declinante. Existem alguns anos até que se gere o superavit primário e a partir daí haja uma evolução maior — disse.

Em relação aos reajustes dos servidores do Judiciário, o ministro adotou um tom defensivo e disse que a tramitação dos projetos já estava em andamento quando o governo Temer assumiu. O mesmo posicionamento foi destacado em seguida pelo ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha. Meirelles afirmou que, de toda forma, os aumentos estavam previstos no Orçamento e estão consistentes com o teto para o gasto:

— Isso faz parte do processo legislativo normal. O governo assumiu dentro de um processo legislativo em andamento. O país não para por causa da transição de governo. O importante é que é consistente com a meta de crescimento do gasto — disse Meirelles.

— Estava previsto no Orçamento da União o aumento que foi dado. Os projetos de lei que concederam aumento aos funcionários estavam em andamento no Congresso — emendou Padilha.

Questionado sobre uma possível mudança na meta de inflação para 2018, Meirelles afirmou que isso será discutido e divulgado em reunião à tarde do Conselho Monetário Nacional (CMN).

ver mais notícias