Meirelles diz que crise de 2016 pode ser maior desde o início do cálculo do PIB

BRASÍLIA – O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse nesta quarta-feira a empresários reunidos no Palácio do Planalto, que a crise registrada neste ano poderá ser a maior desde que o Produto Interno Bruto (PIB) começou a ser calculado no Brasil, nos anos 20. Ou seja, acima até dos números registrados nos anos 30, como consequência do crash da bolsa americana em 1929. Meirelles tentou, porém, transferir otimismo aos empresários e registrar alguma melhora no cenário econômico.

— Os investidores já começam a colocar a cara fora da caverna — brincou o ministro, referindo-se a iniciativas de empresas em busca de crédito e novos investimentos.

Segundo ele, o Ministério tem recebido visitas de empresários interessados em tirar projetos da gaveta. Ele indicou, porém, ser necessário avançar na votação de medidas no Congresso para restabelecer a confiança dos investidores. Ele citou as medidas fiscais como exemplo.

— O processo começa a ser revertido quando o governo prova que controla as próprias contas.

Temer disse que enviará ao Congresso na próxima semana a proposta de emenda constitucional que prevê teto para os gastos públicos. Meirelles disse que haverá um período de convergência para essa meta entre 2017 e 2018.

Já Moreira Franco, secretário executivo do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), disse explicitamente que é necessário definir o cenário do impeachment de Dilma Rousseff, para se retomar a confiança entre investidores. Ele disse que há incertezas jurídicas com o cenário atual e que isso levou, por exemplo, ao cancelamento no leilão de Portos que ocorreria na sexta-feira.

— A situação de haver dois presidentes é, no mínimo, esquisita.

Temer disse que, apesar de estiver em um governo transitório, não age como tal e disse que, mesmo que saia, se sua equipe econômica for mantida, “o país está salvo”.

ver mais notícias