Inflação nos Estados Unidos tem leve alta em fevereiro

NOVA YORK – A inflação nos Estados Unidos cresceu mais do que o esperado em fevereiro, puxado pelos preços dos aluguéis e custos médios que mantiveram a tendência de alta, o que pode influenciar o Federal Reserve (Banco Central dos EUA) a insistir no caminho de elevar gradualmente a taxa de juros básica este ano. O Departamento de Trabalho afirmou, nesta quarta-feira, que o Índice de Preços ao Consumidor, excluindo componentes voláteis como alimentos e energia, aumentou 0,3%, após ganho similar no mês anterior

Em 12 meses, o índice subiu 2,3%, o maior ganho desde maio de 2012, após crescer 2,2% em janeiro. Economistas consultados pela Reuters esperavam alta de 0,2% em fevereiro e 2,2% com relação ao ano passado.

O relatório do Fed é divulgado antes da conclusão de um encontro de dois dias das autoridades da autaquia nesta quarta-feira. Espera-se que o Fed mantenha a taxa de juros no patamar atual (variação entre 0,25% e 0,5%). Com a inflação em agitação e o mercado de trabalho continuando a apertar, economistas acreditam o que BC aumentará os juros em junho.

Em fevereiro, os aluguéis e os custos com assistência médica aumentaram respectivamente 0,3% e 0,5%, após avançar na mesma margen em janeiro. Em contrapartida, o preço da gasolina caiu 13%, o que compensa a alta geral da inflação em 0,2% no mês e 1% em 12 meses.

PRODUÇÃO MANUFATUREIRA AVANÇA

A produção manufatureira dos Estados Unidos avançou pelo segundo mês seguido em fevereiro, impulsionada pela demanda por equipamentos e indicando que o setor pode começar a se estabilizar. A alta de 0,2% no mês segue o ganho de 0,5% em janeiro, segundo dados do Federal Reserve (Banco Central dos EUA) divulgados nesta quarta-feira. A produção industrial geral caiu 0,5%.

As fábricas americanas podem estar passando por um intervalo após alta modesta nos preços de energia em meio à apreciação do dólar na tentativa de avançar após meses de fraco desempenho.

O setor enfrenta dificuldades para acelerar em meio ao crescimento global morno que atrapalha a economia americana, uma razão que levará os legisladores do Fed a não subir as taxas de juros na conclusão da reunião de dois dias.

A expectativa para o setor manufatureiro, que responde por 12% da economia, era de alta de 0,1% no mês passado, segundo mediana de analistas consultados plea Bloomberg. Já a produção industrial era previsto queda de 0,3%.

— É muito cedo para chamarmos de renascimento do setor manufatureiro dos Estados Unidos. Estamos vendo condições estáveis, no melhor cenário — afirmou Robert Dye, economista- chefe do Comerica, em Dallas, antes da divulgação dos dados.

— Ainda temos um dólar muito forte, crescimento da demanda global mais fraco que o esperado, e a China ainda desacelerando. Tudo isso é um contratempo para a manufatura — disse.

A capacidade de utilização, que mede o quanto uma fábrica está sendo usada, caiu 76,7% em fevereiro, ante 77,1% em janeiro. A capacidade manufatureira permaneceu inalterada a 76,1%.

ver mais notícias