Governo pretende aumentar taxas de retorno para atrair investidores privados

SÃO JOÃO DA BARRA – O ministro dos Transportes, Portos e Aviação civil, Maurício Quintella, disse nesta terça-feira que o governo pretende aumentar as taxas de retorno como forma de atrair investidores privados para as futuras concessões nas várias áreas de portos, aeroportos e ferrovias. Segundo o ministro, os vários órgãos do governo e outros ministérios deverão se reunir dentro de 15 dias para discutir o assunto e definir novas regras nas concessões de forma a atrair mais investimentos.

O ministro participou nesta terça-feira da inauguração de três novos terminais no Porto do Açu, no norte do Estado do Rio de janeiro.

— Talvez já poderemos levar a primeira leva de possibilidades de concessão dentro de 15 a 20 dias. Não temos pressa, mas queremos fazer com calma, com linhas de financiamento, atendendo essas demandas que o setor exige para poder começar o processo de concessão — afirmou o ministro.

Na construção dos três novos terminais, a Prumo Logística investiu R$ 1,5 bilhão. Ao todo, desde o início do projeto do Porto do Açu em 2008 foram investidos R$ 13 bilhões. Um dos terminais vai movimentar petróleo, outro combustíveis, e o terceiro cargas em geral.

O Terminal de Petróleo (T-Oil), será utilizado a partir de agosto próximo pela BG Brasil para movimentar até 200 mil barris de petróleo por dia para exportação. O T-Oil é uma parceria da Prumo (80%) e a alemã Oiltanking (20%), com três berços ao longo de 1,4 quilômetros de quebra-mar. Atualmente o canal do T-Oil possui 20,5 metros de profundidade que aumentará para até 25 metros até o fim de 2017.

O Terminal Multicargas (T-Mult) poderá movimentar vários tipos de cargas como granéis sólidos e líquidos e contêineres. O terminal tem capacidade para receber navios com capacidade de transportar até 60 mil toneladas, conta com dois berços instalados em 500 metros de cais e aproximadamente 200 mil metros quadrados de área total.

Segundo a empresa, a capacidade de movimentação do T-Mult é de 4 milhões de toneladas nesta primeira fase. A expectativa da Prumo é que o T-Mult movimento produtos siderúrgicos dos mais diversos como coque e carvão, fertilizantes, bauxita e rochas ornamentais, entre outros.

O terceiro é o Terminal de Combustíveis Marítimos do Açu (Tecma), que é uma parceria entre a Prumo (50%) e a petroleira BP (50%). A BP realiza importações do chamado diesel marítimo destinado para navios. O terminal tem dois berços de atracação.

ver mais notícias