Gol registra prejuízo líquido de R$ 4,29 bilhões em 2015

RIO – A companhia aérea GOL registrou prejuízo líquido de R$ 4,29 bilhões em 2015, o que representa alta de 284,1% frente a perda de R$ 1,11 bilhão em 2014. Segundo a empresa, o resultado foi puxado pela desvalorização do real frente ao dólar. No quarto trimestre do ano passado, o prejuízo líquido apurado foi de R$1,13 bilhão, ante resultado negativo de R$ 631 milhões em 2014. Os resultados financeiros de 2015 da empresarefletem o cenário da economia brasileira desde o final de 2014, impactando a indústria aérea nacional, de acordo com o balanço divulgado na noite desta terça-feira.

A companhia encerrou 2015 com uma posição de caixa de R$2,29 bilhões, o que representa 23,5% da sua receita líquida anual, que foi de R$ 9,77 bilhões — queda de 2,9% com relação a 2014. O montante de caixa da empresa aérea contempla uma perda de R$423,8 milhões em variação cambial no último trimestre do ano. Já a receita líquida no último trimestre do ano passado foi de R$ 2,65 bilhões, um recuo de 2,8% na comparação anual.

As despesas e custos operacionais da GOL totalizaram R$9,95 bilhões em 2015, um aumento de 4,2% frente ao ano anterior. No trimestre, os custos da companhia foram de R$2,74 bilhões, 7,3% maior ante o mesmo período de 2014. Excluindo a linha de combustível, as despesas totalizaram R$6,65 bilhões no ano, o que representa um aumento de R$939,9 milhões ou 16,4% frente ao ano anterior.

Segundo o relatório financeiro anual, a companhia intensificou no último trimestrea estratégia de racionalização de capacidade no mercado doméstico, que caiu 3,7% no período. Para 2016, a GOL revisou a projeção de oferta total, sendo: redução de 15% a 18% na disponibilidade de assentos e no volume de decolagens, e 5% a 8% a menos em demanda doméstica.

“Esta iniciativa tem como objetivo a adequação da Companhia ao patamar atual de demanda do mercado, além de mitigar o impacto inflacionário de 10,7% e cambial de 47,0% em 2015 em nossos resultados”, informa a companhia aérea.

A companhia destaca as medidas adotadas este ano como parte da estratégia de reforço de liquidez. Entre elas, está “uma transação para venda antecipada de passagens no valor total de R$1 bilhão para o Smiles”, “a suspensão de 7 destinos operados; a alteração no calendário de entregas de novas aeronaves entre 2016 e 2017 de 15 para 1 e a redução de pelo menos 6% do volume de decolagens no ano”.

Em conformidade com o plano de negócios da Companhia, iniciamos um projeto com a assessoria financeira PJT e a assessoria para a revisão dos contratos de aeronaves, a Skyworks. Estas empresas foram contratadas para auxiliar na otimização da estrutura de capital e a revisão nas obrigações das aeronaves em arrendamento operacional, que combinadas as demais iniciativas envolvendo todos os stakeholders da GOL, promovem o plano de reversão dos resultados atuais e a retomada do fluxo de caixa livre positivo.

ver mais notícias