África tem 169 mil milionários; número deve saltar 53% até 2024

O clube de milionários está crescendo na África. A quantidade de pessoas com mais de US$ 1 milhão em patromônio líquido no continente deve passar dos 257 mil em 2024, um salto de 53% em relação aos 169 mil em 2014 e o maior crescimento percentual do mundo na comparação com outras regiões, de acordo com o Relatório da Riqueza elaborado pela consultoria Knight Frank, do Reino Unido.

Segundo infográfico elaborado pela CNN, 25% desses milionários fizeram suas riquezas na indústria de combustíveis. O setor também representa a fonte de recursos de 12% entre os que já possuem fortunas na casa dos bilhões, o maior percentual entre todas as regiões do mundo, segundo dados de outros relatório, feito pelo banco UBS.

A Nigéria é o país que tem a maior fatia de biblionários do setor: 40%. De acordo com a revista “Forbes”, o homem mais rico da África é o nigeriano Aliko Dangote, com fortuna estimada em US$ 18,2 bilhões nos setores de comércio de alimentos, cimento e petróleo. A África do Sul é o país africano com maior número de milionários, aproximadamente 47 mil.

Já em números absolutos a África é a região com menos ricos, enquanto a América do Norte, com 5,8 milhões, e a Europa, com 5,1 milhões, têm a maior fatia. O ranking deve mudar até 2024, de acordo com a projeção da Knight Frank, com as duas regiões sendo ultrapassadas pela Ásia, que deve atingir os 7,3 milhões de milionários.

Segundo a CNN, a África resume os sinais contraditórios apresentados pelos mercados emergentes, já que o desenvovlimento da região tem sido dificultado por vários problemas socioeconômicos e políticos. De 2013 para 2014, houve uma diminuição do número de biblionários no Norte da África, mas há um crescimento contínuo na África Subsaariana, o que forneceria sinais encorajadores para a região no longo prazo.

ver mais notícias