Focus: analistas elevam previsão de inflação a 7,04%

RIO – A pesquisa realizada semanalmente pelo Banco Central (BC) com analistas do mercado financeiro elevou a previsão de inflação para 2016, que deve ficar em 7,04%. Na semana anterior, a taxa prevista era de 7%. Já a perspectiva para o desempenho da economia deu uma leve trégua e melhorou, passando de queda de 3,88% para 3,83%.

Na sexta-feira, o IBGE divulgou o IPCA-15 de maio, considerado uma prévia da inflação oficial, que registrou alta de 0,86% — a maior taxa para o mês desde 1996, quando ficou em 1,32% e bem acima das previsões do mercado, que ficaram entre 0,65% e 0,76%. O levantamento do BC, no entanto, ainda não reflete totalmente este indicador, já que o relatório Focus foi encerrado também na sexta-feira. De acordo com a pesquisa, a inflação deve fechar mais um ano acima da meta do governo, que é de 4,5%, podendo variar dois pontos percentuais para cima ou para baixo.

Para o ano que vem, a taxa foi mantida no mesmo patamar da semana passada, em 5,50%. O resultado previsto para 2017 está dentro do limite estipulado pelo governo, que é de 6%, já que a margem de tolerância foi reduzida de dois pontos para cima ou para baixo para 1,5 ponto.

Apesar da elevação da perspectiva de inflação, os analistas reduziram os juros básicos no fim deste ano de 13% para 12,75%. A Selic está atualmente em 14,25% ao ano. Também houve redução, a segunda seguida, na taxa esperada para o fim de 2017, que caiu de 11,50% ao ano para 11,38%.

Já a previsão para o PIB deste ano deu uma leve melhorada de 0,05 ponto percentual: em vez de recuo de 3,88%, os analistas preveem um tombo de 3,83%. A expectativa para o ano que vem foi mantida pela segunda vez consecutiva em alta de 0,50%.

A cotação do dólar esperada para dezembro deste ano e do próximo baixou. No fim de 2016, a moeda americana deve ficar em R$ 3,67, baixa de R$ 0,03 em relação à semana anterior. A divisa deve chegar ao fim do ano que vem em R$ 3,88 — na semana passada a projeção era de R$ 3,88.

ver mais notícias