Empresa demite 25 mil, mas dá superbônus a diretor executivo

NOVA YORK – As empresas costumam usar resultados financeiros e o cenário econômico para justificar demissões. Em 2015, a Schlumberger — prestadora de serviços no setor de petróleo — amargou queda de 17% nas receitas e de 41% nos lucros. E, ao longo do ano passado, demitiu 25 mil pessoas, segundo o site CNN Money.

Os cortes representaram uma redução de 20% da força de trabalho da companhia, informou o site. A empresa atribui tanto as dispensas quanto os resultados fracos à forte queda nas cotações do barril do petróleo.

Os números mostram um cenário nada favorável para quem trabalha na companhia. Mas a crise não parece ter atravessado a porta do escritório do diretor executivo da Schlumberger. É que, de acordo com o site, as gratificações dadas pela empresa a Paal Kibsgaard em 2015 somaram US$ 18,3 milhões.

O valor, sem dúvida, é alto, mas representa uma leve queda em relação ao que ele recebeu em 2014: US$ 18,5 milhões. A diferença, o site explica, deve-se ao desempenho do plano de previdência do executivo. De acordo com o CNN Money, tanto a base salarial quanto as ações que ele detém aumentaram em relação a 2014, e o total de dinheiro que ele recebia de fato avançou 12%, para US$ 5,2 milhões.

ver mais notícias