Em pregão de ajuste, dólar fecha em alta de 1,10%, a R$ 3,527

SÃO PAULO – Os mercados no Brasil vivenciaram um pregão de ajuste nesta sexta-feira, com o dólar ganhando força ante o real e encostando nos R$ 3,60 e a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) terminando os negócios em terreno negativo. A moeda americana fechou cotada a R$ 3,570 na compra e a R$ 3,572 na venda, alta de 1,10% ante o real. Na semana, a valorização acumulada ficou em 1,30%. Já o Ibovespa teve queda de 1,35%, aos 52.907 pontos – recuo de 0,60% em uma semana.

Na avaliação de analistas, a alta do dólar refletiu o comportamento da moeda no exterior, mas também um ajuste de preços, após a acentuada queda das últimas semanas. Além disso, o Banco Central (BC) ofertou nesta manhã 20 mil contratos de swap reverso, que possuem efeito de compra da moeda no mercado futuro. Essa atuação teve como efeito a retirada de quase US$ 1 bilhão do mercado. Na máxima do pregão, a divisa já chegou a R$ 3,601.

— O dólar tinha exagerado muito no movimento de queda. Quando se olha os fundamentos da economia, não há muitos motivos para essa apreciação do real. Agora, a tendência é que o mercado espere por medidas mais concretas na área político econômica — avaliou Paulo Eduardo Nogueira Gomes, economista-chefe da Azmut Brasil.

No exterior, a divisa também operou pressionada. O “dollar index”, calculado pela Bloomberg e que mede o comportamento do dólar frente a uma cesta de dez moedas, tinha alta de 0,56% próximo ao horário de encerramento dos negócios no Brasil.

Os investidores seguem de olho no cenário político e no processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. No entanto, em meio ao feriado, a expectativa é em relação aos trabalhos na próxima semana no Senado Federal, que precisa votar a admissibilidade do pedido de impedimento da presidente aprovado na Câmara dos Deputados.

AÇÕES DA VALE DESPENCAM

Após acumular uma alta em torno de 40% no mês, as ações da Vale despencam nesta sexta-feira, contribuindo para deixar o Ibovespa em terreno negativo. Os papeis preferenciais (PNs, sem direito a voto) da mineradora recuam 8,21% e os ordinários (ON, com direito a voto) recuaram 11,16%. A bolsa chinesa de commodities anunciou um aumento nas taxas de negociação, o que afeta o preço do minério de ferro – no porto de Qingdao, a queda foi de 5,86%.

Essa queda já havia atingido, na quinta-feira, os recebidos de ações (ADRs) da mineradora negociados em Nova York, mas como a Bolsa no Brasil estava fechada devido ao feriado, esse ajuste só ocorreu nesta sexta-feira nas ações.

Os analistas veem essa queda como uma correção de preços. Ari Santos, gerente da corretora H.Commcor, lembra que a volatilidade deve continuar elevada nos próximos pregões, principalmente em razão do cenário político interno.

— A Vale está com uma queda acentuada, mas mesmo ciando mais de 5% acumula alta no mês. O cenário político está influenciando menos neste pregão, mas a volatilidade devido a possíveis mudanças deve continuar nos próximos pregões — afirmou.

Também contribuiu para a queda do índice o desempenho do setor bancário, que tem o maior peso na composição do Ibovespa. As ações preferenciais do Itaú Unibanco e do Bradesco caíram, respectivamente, 1,82% e 2,10%. No caso do Banco do Brasil, o recuo foi de 2,56%.

Já as ações da Petrobras operaram com ganhos, seguindo o mercado externo, onde o petróleo do tipo Brent subia 1,32%, a US$ 44,12 o barril. Os papéis preferenciais da estatal fecharam em alta de 2,84%, cotados a R$ 9,75, e os ordinários subiram 4,53%, a R$ 12,90.

No exterior, o pregão também é de volatilidade. Na Europa, os principais índices do mercado acionário fecharam em queda, refletindo a preocupação com o sistema financeiro chinês, que pode precisar de uma injeção de liquidez, e indicadores mais fracos da economia alemã. O DAX, de Frankfurt, recuou 0,60% e o FTSE 100, de Londres, teve leve queda de 1,11%. Já o CAC 40, da Bolsa de Paris, teve leve desvalorização de 0,29%. Nos Estados Unidos, Dow Jones e S&P 500 estão perto da estabilidade com variações de, respectivamente, 0,03% e queda de 0,11%.

ver mais notícias