Economista diz que Brasil tem o necessário para retomar a atividade econômica

SÃO PAULO – O economista Eduardo Giannetti da Fonseca, que foi um dos conselheiros de Marina Silva na campanha de 2014, acredita que o Brasil tem as três variáveis necessárias para a retomada da atividade econômica, mas espera uma mudança de governo para que isso aconteça.

— A mudança de governo é fundamental. Espero que ela se concretize hoje. Estamos perto de um ponto de inflexão — disse em palestra durante a Recovery Money, São Paulo.

As três variáveis positivas são a redução da inflação, o ajuste das contas externas e uma capacidade ociosa que permitiria uma retomada rápida.

— O ritmo de produção pode crescer rápido e no curto prazo com o estoque de capital físico e humanos que temos — explicou.

Fonseca também sinalizou que para a continuidade dessa retomada econômica e da confiança, o novo governo terá que tomar algumas medidas estruturais: estabelecer limite de gasto público, desvinculação do orçamento e um plano de privatizações e concessões que estimule a participação do investidor privado.

— Precisamos das exportações e da infraestrutura para recuperar a economia. Daí que virá a renda para o crescimento do consumo sustentável, e não essa ressacada que estamos vivendo por conta de medidas populistas — disse.

Para Luiz França, sócio diretor da França Participações, um governo Temer terá uma série de desafios, mas as medidas que precisam ser tomadas são claras.

— O benefício desse provável novo governo é que ele está conversando com todas as lideranças empresariais — avaliou.

Na avaliação de Caio Megali, economista do Itaú Unibanco, o maior erro do governo Dilma, principalmente no primeiro mandato, foi na cuidar da oferta e focar apenas no estímulo à demanda.

ver mais notícias