Cuidados para não cair na malha fina do IR 2016

RIO – Mesmo acontecendo todos os anos, a declaração do Imposto de Renda ainda gera muitas dúvidas e uma das principais preocupações de quem está fazendo a declaração é cair na malha fina. Para que isso não ocorra, é importante que o contribuinte reúna todos os documentos necessários e tome alguns cuidados na hora do preenchimento para evitar erros comuns, além de estar atento ao prazo que vai do dia 1º de março até o dia 29 de abril.

Antônio Gil Franco, diretor de Impostos e Capital Humano da Ernest & Young, chama atenção para que a população se atente principalmente às informações que podem alterar o resultado final da declaração, como por exemplo, rendimentos tributáveis – que inclui aluguel, trabalho, rendimentos provenientes do exterior – e deduções – como contribuição à Previdência Social, gastos com dependentes, despesas médicas e pensão alimentícia -. No caso de despesas médicas, ele destaca que se o valor foi reembolsado, o contribuinte precisa reportar o pagamento.

Ele ressalta também a importância da verificação dos valores referentes a ganhos de capital – como bolsa de valores, vendas de imóveis e joias -. Além disso, ele lembra que é preciso estar atento aos valores do pagamento da contribuição previdenciária do empregado doméstico e se fez ou recebeu doações também é preciso declará-las.

– Além de tomar todos esses cuidados, é aconselhável que não deixem para fazer a declaração na última hora e verifiquem o andamento do processo para que caso tenha algo inconsistente, tenham tempo de fazer a retificação.

Para acessar as informações o contribuinte pode entrar no Centro Virtual de Atendimento no portal da Receita Federal.

Dora Ramos, especialista em Contabilidade e diretora responsável pela Fharos Assessoria Empresarial, também ressalta a importância de colocar os valores reais e fugir dos arredondamentos. O conflito nas informações contidas no CNPJ do estabelecimento e no CPF do proprietário também é um problema comum. Outro erro que contribuintes costumam cometer, aponta Dora, é a inclusão de filhos como dependentes nas declarações tanto do pai quanto da mãe. Só é considerado dependente até os 21 anos ou 24 se estiver matriculado na faculdade.

– Cada centavo deve ser especificado, já que arredondar os dados, para mais ou para menos, pode gerar divergências e ser entendido como tentativa de burlar o sistema. Apenas com alguns cuidados e algumas horas dedicadas, o brasileiro conseguirá cumprir seu papel, sem se complicar em um procedimento tão rotineiro – explica Dora.

ver mais notícias