Copom define hoje taxa básica de juros da economia

BRASÍLIA – O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) define nesta quarta-feira a taxa básica de juros. A expectativa do mercado é que a Selic seja mantida em 14,25% ao ano. A reunião, a terceira do ano, começou ontem à tarde.

De outubro de 2014, quando estava em 11% ao ano, a julho de 2015, a taxa Selic cresceu 3,25 pontos percentuais, resultado de sete elevações seguidas. Na reunião de setembro do ano passado, o Copom decidiu suspender o aperto monetário e parou de mexer nos juros básicos.

A inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) encerrou 2015 em 10,67%, bem acima do teto da meta, que é 6,5%. A meta para a inflação estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) é 4,5%, com margem de dois pontos percentuais para baixo ou para cima. Ao fim deste ano, o mercado prevê IPCA novamente acima do teto da meta, em 6,98%.

Depois de atingir, em janeiro, o pico de 10,71% na taxa acumulada em 12 meses, a inflação vem desacelerando. O IPCA acumulado caiu para 9,91% nos 12 meses terminados em março. Além do fim do impacto da elevação de preços administrados, como energia e combustíveis, a queda do dólar tem contribuído para a diminuição do índice de preço. Nos próximos meses, a expectativa é que a inflação desacelere ainda mais por causa do agravamento da crise econômica e da redução da demanda.

Com o alívio na inflação, a previsão do mercado financeiro para a taxa básica de juros este ano e no próximo foi reduzida pelos analistas consultados pelo BC no último relatório semanal Focus. Eles preveem que a Selic chegue a dezembro um ponto percentual abaixo do atual patamar, a 13,25% ao ano. Esta foi a segunda redução consecutiva. Na pesquisa anterior, a taxa estava em 13,38%. Para 2017, o relatório do BC cortou a projeção da Selic em 0,25 ponto percentual, para 12% ao ano.

A terceira decisão sobre a Selic em 2016 será anunciada à noite, já que a reunião do Copom dura dois dias. No primeiro dia, chefes de departamentos do BC apresentam uma análise da conjuntura doméstica, com dados sobre a inflação, o nível de atividade econômica, as finanças públicas, a economia internacional, o câmbio, as reservas internacionais e o mercado monetário, entre outros assuntos.

Após análise da perspectiva para a inflação e das alternativas para a Selic, os diretores e o presidente do banco definem a taxa. Assim que a Selic é definida, o resultado é divulgado à imprensa. Na semana seguinte ao anúncio do resultado, o BC divulga a ata da reunião, com as explicações sobre a decisão.

ver mais notícias