Com nova gestão e fora de futuras concessões, presidente da Infraero diz que ela voltará a ter lucro

BRASÍLIA – Duas semanas depois de assumir a Infraero, o presidente Antonio Claret de Oliveira disse, em entrevista por e-mail, que as mudanças na gestão podem fazer com que a companhia retorne ao azul em 2017.

Qual a missão da nova gestão da Infraero frente às dificuldades orçamentárias do governo?

Alinhada ao novo modelo de gestão do governo e orientada diretamente pelo ministro dos Transportes, Maurício Quintella, nossa missão é tornar a empresa eficiente e competitiva dentro do novo cenário pós concessões. Nossa proposta é ampliar os negócios, em especial as concessões comerciais (lojas e serviços nos terminais), otimizar e automatizar processos internos de trabalho, adotar práticas modernas de governança corporativa e buscar a sustentabilidade a partir do seu próprio resultado empresarial. Somando, e não subtraindo, ao resultado final das contas do governo federal.

Como e quando a empresa pode retomar os lucros?

Os efeitos das medidas em curso já consideram a saída dos aeroportos em processo de concessão (Fortaleza, Florianópolis, Porto Alegre e Salvador), propiciando a reversão da aplicação de recursos do Tesouro no curto prazo. A empresa retomaria a sustentabilidade financeira operacional já durante o ano de 2017. Encontra-se em estudo a venda de parcela das participações nos aeroportos concedidos, para capitalizar a empresa para os investimentos em sua rede de aeroportos. A medida depende que as vantagens estejam claras e que haja janela de mercado. O governo estuda a redução da participação da Infraero nas concessões futuras, em razão da necessidade de aportes de recursos no curto prazo para cumprir com a antecipação da outorga e a realização do plano de investimentos daqueles ativos.

Continua o processo de reestruturação com a Infraero Serviços e a Infraero Participações?

Continua até que a estrutura esteja adequada à realidade da empresa, inclusive após as quatro futuras concessões. Esse processo, que contempla um programa de demissão voluntária, é focado na gestão por processos e implantação de melhores práticas de governança, risco e compliance, direcionado para a disponibilidade dos serviços e infraestruturas aeroportuárias geridas pela Infraero, na qualidade de serviços prestados, na segurança das operações e na eficiência operacional. (Danilo Fariello)

ver mais notícias