China investe mais em infraestrutura que EUA e Europa juntos

NOVA YORK — Depois da crise financeira de 2008, em 10 economias importantes do mundo, inclusive os EUA, houve uma queda no investimento no setor da infraestrutura — ora urgente de melhorias — segundo um novo estudo do McKinsey Global Institute. A China, enquanto isso, avança a todo vapor nas obras de rodovias, pontes, redes de esgoto.

“A China gasta mais em infraestrutura econômica por ano do que a América do Norte e a Europa Ocidental juntas”, registra o relatório publicado na quarta-feira.

Economistas de todo o mundo argumentam que este é um ótimo momento para investir em infraestrutura porque as taxas de juros estão superbaixas e a economia global poderia se valer do choque de investimentos. “Alguém está orgulhoso do aeroporto Kennedy?”, pergunta o economista da Universidade de Harvard Lawrence Summers.

O relatório do MGI cita 10 países nos quais o investimento em infraestrutura caiu enquanto parcela do Produto Interno Bruto (soma das riquezas nacionais) entre 2008 e 2013: EUA, Reino Unido, Itália, Austrália, Coreia do Sul, Brasil, Índia, Rússia, México e Arábia Saudita. (O estudo abrange 11 economias porque lista a União Europeia como uma entidade separada.) Em contraste, diz o instituto, o investimento em infraestrutura cresceu enquanto fatia do PIB no Japão, Alemanha, França, Canadá, Turquia, África do Sul e China.

No entanto, existe uma espécie de investimento excessivo em infraestrutura. Pelo ritmo de investimento atual, a China, o Japão e a Austrália provavelmente superarão suas necessidades até 2030, projeta o grupo afiliado à McKinsey & Company.

Para financiar mais infraestrutura pública, o relatório sugere a elevação das cobranças aos usuários, como pedágios em rodovias, entre outras medidas. Já para incentivar um maior investimento privado em infraestrutura, o MGI defende o aumento da “certeza regulatória” e que se dê aos investidores “a capacidade de cobrar preços que produzam um retorno aceitável ajustado ao risco”.

ver mais notícias