Bill Gross ganha US$ 4,5 milhões... vendendo coleção de selos

NOVA YORK – O megainvestidor Bill Gross está acostumado aos ganhos e perdas do mundo das ações. Mas, desta vez, ele faturou alguns milhões com um investimento que não é negociado em Bolsa: uma coleção de selos. Vendendo apenas uma parte de seu acervo — que já foi exibido no Museu Smithsonian em Washington, Gross amealhou US$ 4,5 milhões.

Em um comunicado divulgado nesta quarta-feira, o megainvestidor informou que US$ 2 milhões da venda serão destinados à Pimco Foundation. A fundação foi criada por ele quando trabalhava na gestora de fundos de investimento Pacific Investment Management Company.

A escolha da Pimco Foundation pode parecer curiosa, já que Gross deixou a gestora após uma briga pública com outros altos executivos depois que resultados ruins do Pimco Total Return Fund, na época o maior fundo mútuo do mundo, levaram a uma enxurrada de resgates. E desde então, o megainvestidor briga na justiça, alegando que não recebeu os devidos bônus. Mas no comunicado ele se justificou:

“Independentemente do meu atual status empregatício, eu ainda acredito firmemente na missão da Pimco Foundation para ajudar as pessoas ao redor do mundo a alcançarem seu potencial total, ao engajar, empoderar e investir em comunidades”.

Os selos foram comprados por um colecionador. E os fundos angariados serão repartidos com várias outras instituições de caridade, incluindo uma que pertence à ONU e um fundo ligado ao jornal “The New York Times”, segundo a Charles Shreve of Robert A. Siegel International, responsável pela venda.

A venda incluiu um bloco de seis selos “Double Geneva” de 1843, que estão entre os selos mais icônicos e famosos do mundo, segundo o comunicado. Esses selos tinham sido vendidos por US$ 121.800 em 1964.

ver mais notícias