Delator da Lava-jato afirma: Eduardo Braga e Omar Aziz receberam propinas da Andrade Gutierrez

Manaus – Investigados na Operação Lava Jato, os ex-executivos da Andrade Gutierrez revelaram, durante a delação premiada, que pagaram propina aos ex-governadores do Amazonas Eduardo Braga (PMDB) e Omar Aziz (PSD), que, atualmente, são senadores pelo Estado, para vencer a licitação das obras da Arena da Amazônia. Os delatores revelaram pagamento de até 10% sobre o valoro de cada obra realizada pela empreiteira. As informações foram divulgadas em reportagem feita pelo Jornal Hoje, da Rede Globo.

Segundo a reportagem, os ex-executivos Clóvis Peixoto Primo e Rogério Nora de Sá afirmaram que a construtora participou da elaboração do projeto e do edital da Arena da Amazônia, para vencer na corrida do processo de licitação da obra.

Clóvis Primo afirmou aos procuradores que a Andrade Gutierrez tinha preferência pela obra do estádio, por estar há muitos anos no Amazonas, conforme a reportagem. Ele revelou que havia uma combinação, que ocorreu durante os oito anos de governo de Eduardo Braga (PMDB), de pagamento de propina de 10% sobre o valor de cada obra da empreiteira.

Rogério Nora de Sá, que também falou sobre o caso, calcula que Braga tenha recebido entre R$ 20 e R$ 30 milhões.

Segundo a matéria, Primo afirmou que chegou a se encontrar com o sucessor de Braga, no governo, Omar Aziz, em Brasília. O delator afirmou ter tentando negociar redução da propina e disse que, Aziz aceitou reduzir para 5% do valor das obras.

Já Roberto de Sá disse que encontrou Aziz em uma reunião, em São Paulo. O então governador pediu propina de R$ 20 milhões à construtora, alegando que a empresa tinha grande volume de obras no estado e que a verba seria usada para pagar despesas de campanha.

A matéria aponta que o total pago pela Andrade Gutierrez a Aziz somou cerca de R$ 18 milhões, segundo Sá, e teriam sido feitos pelo menos até setembro de 2011.

A Procuradoria-Geral da República ainda não pediu abertura de inquérito para investigar os dois senadores do Amazonas.

Em nota publicada no Facebook, Eduardo Braga afirma que a denúncia veiculada é “absurda”. “A minha defesa, infelizmente, só terá condições de se manifestar depois de ter acesso ao teor da denúncia”, explica. “Esclareço que através de meu advogado, Dr. Aristides Junqueira, já solicitamos formalmente, tanto ao STF quanto ao MPF, acesso às possíveis denúncias, mas nos foi negado”.

O senador Omar Aziz afirmou, em nota, que participou de várias reuniões com executivos da Andrade Gutierrez e que todas foram “ríspidas”. Aziz diz, ainda, que todas as doações para as campanhas que participou foram devidamente declaradas.

“A Andrade Gutierrez pressionou muito o estado por aditivos ao valor da obra da Arena da Amazônia. Queriam elevar o preço para mais de um bilhão de Reais. O governo do estado seguiu rigorosamente o valor definido pelo TCU e a Arena da Amazônia foi a mais barata de todo o Brasil”, afirma Aziz na nota.

À Rede Globo, a Andrade Gutierrez afirmou que não irá comentar sobre a denúncia.

Citação

Em março, o ex-presidente da empreiteira Andrade Gutierrez Otávio Azevedo revelou, segundo reportagem da revista Veja, em delação premiadas no âmbito da operação Lava Jato, ter pago propina aos ex-governadores do Amazonas Omar Aziz e Eduardo Braga, para conseguir a obra de construção da  Arena da Amazônia, em Manaus.  

A obra foi licitada no governo de Braga e realizada e paga no governo de Omar. Os pagamentos, com os aditivos, que elevaram o valor de R$ 499,5 milhões para R$ 759,2 milhões foram realizados no governo de Omar, que entregou a obra em 2014, com um valor de R$ 259 milhões de diferença.

Contéudo D24

ver mais notícias