Video mostra médico obstetra agredindo a mulher com o filho no colo

Médico agride a mulher com o filho no colo 

Um vídeo que circula nas redes sociais mostra o tamanho da covardia de um médico ao agredir a esposa com o filho nos braços.

O fato aconteceu no mês de novembro do ano passado e só agora o vídeo começou a circular nas redes sociais. Dr. Abelardo Franco, 49 anos, natural de Salinas-MG, pai de cinco filhos, quatro casamentos, coordenador do serviço de obstetrícia do hospital Luís Eduardo Magalhães em Porto Seguro, trabalhou na UMMI em Teixeira de Freitas, foi flagrado pelas câmaras de segurança que ele mesmo havia mandado instalar, agredindo covardemente a sua esposa, e se não bastasse tamanha covardia, a mulher estava com o filho nos braços, mas nem isso conseguiu aplacar a fúria do monstro.

Puxões de cabelo, tapas na cara, murros e se tudo isso não bastasse, o valentão ainda jogou a mulher indefesa no chão, sentou sobre seu corpo e continuou agredindo-a, isso tudo na presença do filho que estava nos braços da mãe indefesa.

Segundo informações, o valentão foi denunciado na Delegacia da Mulher em Porto Seguro e a vítima hoje vive com medida protetiva decretada pela justiça, mais tudo isso não foi suficiente ainda para coloca-lo na cadeia pela Lei Maria da Penha.

Veja o que diz a Lei

A Lei Maria da Penha, denominação popular da lei número 11.340, de 7 de agosto de 2006, é um dispositivo legal brasileiro que visa aumentar o rigor das punições sobre crimes domésticos. É normalmente aplicada aos homens que agridem fisicamente ou psicologicamente a uma mulher ou à esposa. No Brasil, segundo dados da Secretaria de Política para Mulheres, uma a cada cinco mulheres é vítima de violência doméstica. Cerca de 80% dos casos são cometidos por parceiros ou ex-parceiros.[1]

Decretada pelo Congresso Nacional e sancionada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 7 de agosto de 2006, a lei entrou em vigor no dia 22 de setembro de 2006, e já no dia seguinte o primeiro agressor foi preso, no Rio de Janeiro, após tentar estrangular a ex – esposa .

A introdução da lei diz:

“ Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do art. 226 da lei de 11.340 da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres e da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e a Violência contra a Mulher; dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; altera o Código de Processo Penal, o Código Penal e

a Lei de Execução Penal; e dá outras providências

A lei alterou o Código Penal, como a introdução do parágrafo 9, do Artigo 129, possibilitando que agressores de mulheres em âmbito doméstico ou familiar sejam presos em flagrante ou tenham sua prisão preventiva decretada. Estes agressores também não poderão mais ser punidos com penas alternativas. A legislação aumenta o tempo máximo de detenção previsto de um para três anos; a lei prevê, ainda, medidas que vão desde a remoção do agressor do domicílio à proibição de sua aproximação da mulher agredida.

Logo depois que tivemos conhecimento do vídeo que estava circulando nas redes sociais, fomos procurados por uma ex esposa do médico que nos relatou os anos de sofrimento e as agressões sofridas durante os anos em que foi casa com ele.

Essa pessoa é uma jornalista que hoje trabalha na prefeitura de Teixeira de Freitas, e segundo ela, na época não denunciou as agressões sofridas por vergonha, mas precisou de tratamento psicológico no CAPS e com a Drª Eliana Cabanas, médica conceituada em tratamentos psicológicos e neurológicos.

Vejamos o que disse esta outra vítima do médico;

Quando mandei para vc, meu intuito não foi de aterrorizar mais sim mostra uma realidade frequente que acontece com nós mulheres, independente de classe social; estamos sujeitas a isso, pq normalmente, quem vê cara não vê coração.. Às vezes psicopatas como esse se esconde através de pessoas socialmente aceitas, onde pensamos que essas atitudes de covardia como essa, passa apenas por quem bebe ou é usuário de drogas. Uma mulher é agredida no Brasil a cada cinco minutos…. Compartilhei com outras pessoas, assim como Fred nosso primo recebeu isso em são Paulo e repassou… Pq não é nada inventado ou forjado, existe denuncia na delegacia, e quando não falamos deixamos de divulgar essas barbáries estamos colaborando para psicopatas como esse continue utilizando da ingenuidade, carência, sonhos de mulheres e continuar fazendo essas coisas inaceitáveis e tortuosas com mulher. Eu fui casada com ele e separei por isso… É passei por isso porém não tive coragem de denunciar….

Não vamos divulgar o nome dessa vítima para não constrangê-la ainda mais, mas espero que as autoridades competentes tomem as medidas cabíveis e mostrem para esse monstro que mulher não é saco de pancada. Um homem que não respeita nem uma criança, seu filho, e espanca covardemente a mulher com a criança nos braços merece cadeia e não viver em sociedade e ainda exercer um cargo de chefia em um hospital para tratar com mulheres.

Com Informações Bahia Extremo Sul
ver mais notícias