Vendedor é preso suspeito de assassinar porque devia R$ 2,5 mil para a vítima

O vendedor de polpa de frutas Waldercley Neves Serzedelo, 21, o ‘Branquelo’, por suspeita de ter assassinado a tiros, em fevereiro deste ano, Cleilson Maurício de Souza, 19, na zona norte de Manaus. De acordo com o delegado Juan Valério, em depoimento, o homem confessou o crime e disse que matou o rapaz por conta de uma dívida de R$ 2,5 mil referente a venda de uma pistola 380.     O suspeito foi preso por uma equipe da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), na última terça-feira (9), na casa onde morava, na Rua Coração de Maria, no Santa Etelvina. A prisão ocorreu em cumprimento à um mandado expedido pelo juiz da 3 Vara do Tribunal do Júri, Mauro Antony.

À polícia, segundo delegado o delegado, o ‘Branquelo’ disse que vendeu a arma para Cleilson, que era usado por ele como ‘instrumento de trabalho’ para ajudar nas despesas com a mulher que estava grávida, à época.  No entanto, Cleilson foi preso e teve a arma apreendida pela polícia. O rapaz foi liberado no dia 31 de janeiro deste ano e, dois dias após sair da prisão, foi morto com dois tiros por Waldercley, segundo a polícia.            

Ainda segundo a polícia, Wandercley usou um revólver 38 e em uma moto, com outro homem ainda não identificado, abordou e matou Cleilson na Rua Ventura, do bairro Santa Etelvina.

Na manhã desta quarta-feira (10), ao ser apresentado à imprensa, o suspeito não quis falar sobre o crime. De acordo com o delegado Juan Valério, Wanderley responde a quatro processos por tráfico de drogas. Ele foi indiciado por homicídio qualificado e será encaminhado ao Centro de Detenção Provisório Masculino (CDPM), localizado no km 8 da BR-174.

EMtempo

ver mais notícias