CM7

 
Manaus, 23 de outubro
Mercado financeiro
Dólar
Euro
 
 
Home / Últimas Notícias / Polícia / Jovem que fez selfie de ‘Patixa Teló’ em banheiro diz que está arrependido

Jovem que fez selfie de ‘Patixa Teló’ em banheiro diz que está arrependido

Da redação | 23/05/2017 22:22

Carlos Ferreira da Cunha Júnior, 19, conhecido como “Periquita”, que foi denunciado à polícia, na tarde desta terça-feira (23), como possível autor do registro de imagens do amazonense Antônio Luis de Souza da Silva, 39, mais conhecido como “Patixa Teló”, em um banheiro de uma casa de show, no bairro Chapada, Zona Centro-Sul de Manaus, disse em entrevista ao EM TEMPO, que está arrependido pela divulgação do conteúdo nas redes sociais.

Ele teme pela própria integridade física. “Não sabia que o caso iria ganhar tanta repercussão e nem que seria ameaçado de morte”, confessou. Segundo “Periquita”, apelido como prefere ser chamado, o caso ganhou grande repercussão nas redes sociais durante o fim de semana, mas ele só foi procurado pelo empresário da vítima, Edy Araújo, mais conhecido como “Edy Murphy”, na noite de segunda-feira (22), por volta das 21h.

“Ele me ligou, acredito que tenha conseguido o meu número, por meio do meu Facebook, pois sou muito conhecido como jogadora de futebol amador no Amazonas. Ele disse que queria resolver a situação da melhor maneira possível, sem maiores exposições, e que sabia que eu não tinha culpa. Ele perguntou se eu sabia quem tinha gravado o vídeo, mas eu informei que não fazia a mínima ideia, pois quando cheguei no banheiro tinham muitas pessoas e eu apenas fiz uma selfie”, contou.

Ainda segundo Carlos, o empresário finalizou o contato dizendo que pretendia reunir “Patixa” e “Periquita” em um vídeo, que seria divulgado nas redes sociais, esclarecendo o fato a todos.

“Segundo o Edy, isso iria esclarecer os fatos para a sociedade e, assim, limpar a minha imagem também. Eu passei a ser perseguido e ameaçado nas redes sociais, mas o que aconteceu foi o contrário. Hoje à tarde ele me ligou, por volta das 13h, pedindo o meu nome completo e endereço. Na hora eu saquei que era para a polícia”, detalhou.

“Eu sei que as divulgações das imagens não foram certas, mas o que eu fiz foi apenas uma selfie e com o consentimento da Patixa. Eu pedi autorização. Eu jamais iria imaginar que isso iria me causar todo esse transtorno e eu seria apontado como autor do vídeo. Se forem analisar todos os conteúdos vão ver que eu estava de unhas pintadas nessa festa e a pessoa que gravou o vídeo não estava. Eu tenho minha consciência tranquila”, comunicou.

Carlos disse ainda que se sente coagido pelo amigo e empresário de Patixa Teló. “Ele fez uma transmissão ao vivo no Facebook, junto com a Patixa, convidando todos os fãs dela para estarem no próximo dia 20 de junho, às 9h, na sede do 12º Distrito Integrado de Polícia (DIP). Data e hora em que está previsto acontecer a audiência”.

Ainda segundo Carlos, por telefone, Edy solicitou seu endereço para que o oficial de Justiça entregue a intimação, porém, por temer a própria segurança e das pessoas que convivem com ele na mesma casa, preferiu não revelar.

“Eu temo que ele venha divulgar meu endereço a outras pessoas e eu sofra um atentado. Eu moro com um amigo e ele também está preocupado. Estou isolado, em casa, evitando até colocar a minha cara na janela. Já conversei com um advogado para me acompanhar no dia da audiência”, informou.

O empresário Edy Araújo disse que o caso foi parar na delegacia pelo desrespeito com Antônio, que tem deficiência mental.

“Antônio é um ser humano com problemas mentais e que precisa de todo o nosso carinho e, acima de tudo, de nosso respeito. O caso precisa ser esclarecido e o Carlos, como autor das fotos, será ouvido pela autoridade policial. Inclusive, ele foi comunicado por telefone, por um policial civil, a comparecer na hora, data e local da audiência”.

O delegado Guilherme Torres, do Departamento de Repressão ao Crime Organizado (DRCO), relatou que o caso é considerado crime de acordo com a 13.146/2015, Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). “Quando esse tipo de crime é através da comunicação social, a pena é de 2 até 5 anos de prisão”, relatou.

Fonte Portal Emtempo

Anuncie em Nossas Pesquisas
Anuncie em Nossas Pesquisas

FAÇA SEU COMENTÁRIO SOBRE ESTA NOTÍCIA