Pastor Everaldo recebeu R$ 6 milhões para favorecer Aécio, diz delator da Odebrecht

 

Fernando Reis, ex-diretor da Odebrecht Ambiental, contou que a empresa orientou o religioso a fazer perguntas ao tucano em debates de TV em 2014

Aécio Neves (PSDB) foi beneficiado em debates entre presidenciáveis na campanha de 2014. O ex-diretor da Odebrecht Ambiental, Fernando Reis, contou que a empreiteira repassou, em forma de caixa dois, R$ 6 milhões ao então candidato a presidente Pastor Everaldo (PSC), em troca da ajuda do religioso, orientado pela empresa a fazer perguntas ao tucano em debates na TV.

Apresentado ao Pastor Everaldo pelo ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), Fernando Reis contou que pagou inicialmente R$ 1 milhão à campanha do candidato do PSC, que pediu mais dinheiro ao ser apontado nas pesquisas no início de 2014. Reis detalha que os repasses foram entregues no escritório do advogado Rogério Vargas, na Barra da Tijuca, Rio.

Após a morte de Eduardo Campos, candidato a presidente pelo PSB, os votos da comunidade evangélica migraram para Marina Silva, que o sucedeu como candidata.

Fernando Reis contou que a empresa concluiu depois que a contribuição à campanha de Everaldo foi “muito grande para quem tem muito pouco para dar”.

“A gente achou que ele poderia ter uma grande quantidade de votos. Mas foi uma avaliação completamente errada”, disse.

A Odebrecht, conforme o delator, deu um jeito de tirar proveito da situação. No vídeo, Fernando Reis afirma que pediu ao Pastor para usar todo o tempo no debate fazendo perguntas ao Aécio para que o tucano tivesse mais tempo e, assim, tivesse mais chance de chegar ao segundo turno, para disputar com a então presidente Dilma Rousseff, que concorria à reeleição.

ver mais notícias