Pastor estupra menina de 12 anos e diz a ela se contasse para alguém a maldição ficaria mais forte e ela morreria

Homem de 47 anos disse amenina que ela estava “enfeitiçada” e precisava se envolver com uma pessoa de Deus

O pastor Paulo Ross, de 47 anos, que é acusado de estuprar uma menina de 12 anos, líder religioso da Igreja Mundial do Novo Nascimento em Cristo, em Campos Novos, cidade de 33 mil habitantes no Oeste Catarinense, foi preso na noite de quinta-feira (6).

O pastor convenceu a adolescente dizendo que ela estava enfeitiçada e que, para quebrar a maldição, precisaria se relacionar com “um homem de Deus, que fosse casado, no mínimo sete vezes”. Ele ainda advertiu que a quebra do feitiço era um segredo e que se contasse para alguém a maldição ficaria mais forte e ela morreria.

De acordo com a vítima, os abusos ocorreram entre junho e julho de 2016. Somente em fevereiro desse ano, após depressão, ela contou à família. Sua mãe levou o caso para o delegado Luis Eduardo Machado Córdova. A mulher também denunciou que outras duas amigas de sua filha, de 15 e 16 anos, estavam sendo assediadas pelo pastor.

Córdova encontrou no telefone das duas adolescentes mensagens semelhantes, enviadas pelo pastor. “Para quebrar o feitiço é preciso se relacionar com um homem de fé, abençoado e casado”. O pastor ainda escreveu que essa seria a “única forma de vencer o mal” e que “essa era a ordem de Deus” e, portanto, elas “não tinham escolha”.

Com base nessas provas, Paulo Ross foi preso temporariamente na unidade prisional da cidade. Ele é casado e tem filhos.

ver mais notícias