Padrasto confessa ter agredido o enteado de 1 ano e 8 meses morto no Amazonas


Manaus/AM-O vendedor Anderson Carneiro de Paiva, de 22 anos, que foi preso após a morte do enteado Alex Gabriel Silva de Oliveira, de 1 ano e oito meses, confessou ter agredido o menino enquanto a mãe estava trabalhando, segundo a Polícia Civil.

O crime ocorreu na tarde de terça-feira (23) na casa da família, na Zona Norte de Manaus.

Anderson disse que bateu na barriga do menino porque o garoto estava chorando. A mãe do menino, uma adolescente de 15 anos, revelou à Polícia Civil que Anderson Carneiro culpava a criança pelo aborto do filho que a esposa esperava.

Durante depoimento ele confessou que deu três tapas no estômago do menino Alex Gabriel. As agressões, de acordo com a polícia, causaram trauma abdominal e ruptura do estômago, levando a criança à morte.
A mãe contou, em depoimento, que o padrasto tinha mágoa e ressentimento da criança.
“A mãe chegou a engravidar do Anderson e, com dois meses de gravidez, ele chegou a administrar remédios abortivos. Porém, ela não perdeu o bebê naquele momento. Com quatro meses de gravidez, quando o Anderson tinha expectativa que iria ter um filho com ela, a adolescente perdeu o bebê. Ela disse que o Anderson culpava o Gabriel pela mulher ter perdido o filho dele.

A criança teria sido agredida em uma casa na comunidade Nossa Senhora de Fátima I, no bairro Novo Aleixo. Alex Gabriel foi levado pela mãe e o padrasto para Hospital Pronto-Socorro (HPS) Platão Araújo, por volta das 19h. O garoto deu entrada na unidade hospitalar já morto. A equipe médica tentou reanimação, mas não obteve sucesso na tentativa de salvar a criança.
Após ser constatada a violência, o vendedor Anderson Carneiro foi preso, em flagrante, e levado para a DEPCA, onde caso será investigado. O homem vai responder por homicídio qualificado.

ver mais notícias