Venezuela não tem como impedir referendo, diz embaixador na OEA

WASHINGTON – O governo venezuelano não tem meios de interromper o referendo revogatório proposto pela oposição venezuelana, disse o embaixador do país na OEA, Bernardo Álvarez. Num tom mais moderado em relação ao próprio Executivo liderado por Nicolás Maduro, resta saber do Conselho Nacional Eleitora se o processo será feito antes ou depois de dezembro. Ele ainda fez críticas à liderança do bloco — o secretário-geral, Luis Almagro, pediu que se invoque um artigo da Carta Democrática Interamericana para suspender o país por conta de violações à democracia.

— A discussão (sobre o referendo) é se pode ocorrer antes ou depois de dezembro. O que a oposição quer é, em seis meses, encontrar uma maneira de tirar Maduro. O governo não pode interromper o referendo. Há um processo analisado pelo Conselho Nacional Eleitoral, e quando o processo for concluído, haverá o referendo. Pode ser antes de dezembro ou depois.

Se o referendo for feito neste ano, haverá novas eleições para definir o sucessor de Maduro. Caso ocorra em 2017, o vice-presidente Aristóbulo Isturiz assumirá o cargo e governará até 2018, quando terminaria o mandato do presidente.

A oposição defende que o levantamento popular para revogar o mandato de Madura seja feito antes de dezembro. Essa é também a posição do secretário-geral. Mas Álvarez disse que há uma “forte campanha coordenada” contra a Venezuela.

— O secretário-geral vai além de suas funções. Ele não é imparcial, esqueceu que é um diplomata apontado. Em vez de ajudar, ele está alimentando a campanha contra a Venezuela. Se atingir a Venezuela, você ganha aplausos em Washington. Almagro, muito irresponsável, diz que tem que haver referendo antes de dezembro. Quem é ele para dizer isso? Ele não é um juiz — atacou. — Estamos convencidos de que haja uma campanha que tenta apresentar a Venezuela pedindo por intervenção politica. Uma das ideias é essa de crise humanitária. Crise humanitária e muito especifica: desastres naturais, migração. Esta ideia é sempre usada para intervenção externa. Foi usada na Primavera Árabe.

Álvarez também abordou a questão dos presos políticos.

— Alguns dizem que temos que libertar todos. Não concordamos com (que haja) presos políticos, mas temos que respeitar as instituições. Essas pessoas cometeram crimes, foram submetidos a um processo. Nao podemos fazer isso sem violar nossa própria Constituição. O Papa Francisco falou sobre isso, defendeu ações humanitárias, e mandamos alguns para suas casas. Temos que respeitar os direitos humanos.

ver mais notícias