Parlamento rechaça prorrogação de emergência econômica de Maduro

CARACAS — O Parlamento venezuelano rechaçou o pedido de extensão da emergência econômica no país nesta quinta-feira. Na segunda-feira, o presidente Nicolás Maduro emitiu um decreto em favor da medida, mas a maioria opositora da Assembleia Nacional vetou o prolongamento do estado de exceção por mais 60 dias — ferramenta de que o governo buscou lançar mão para enfrentar a grave crise que atinge o país.

— A única forma de o povo venezuelano acompanhar as medidas econômicas que exigem mais sacrifícios é uma mudança radical como se vêm governando — disse o deputado Simón Calzadilla nesta quinta-feira, enquanto a oposição intensifica sua campanha pela saída de Maduro do poder.

Segundo o parlamentar, a aprovação da extensão da emergência econômica pelo Tribunal Superior de Justiça (TSJ) seria uma violação constitucional, tendo em vista que o Parlamento é o único órgão legalmente autorizado a considerar os pedidos de Maduro. No entanto, o tribunal máximo do país declarou a vigência do decreto de emergência econômica decretado por Maduro em janeiro, embora o Congresso tivesse rechaçado a medida anteriormente.

O deputado governista Héctor Rodríguez classificou a decisão parlamentar como “muito infeliz” e disse à imprensa que o país deverá superar a crise, apesar da oposição.

O governo argumenta que a crise estrutural do país não desacelerou desde o início do estado de emergência econômica — e cita um boicote financeiro nacional e internacional contra a Venezuela. Segundo o decreto, a medida é necessária para proteger os venezuelanos da guerra econômica.

— A Constituição estabelece que a única maneira de votar contra a ratificação do decreto é que as causas que o motivaram tenham acabado. As mesmas causas estão presentes e se está fazendo um esforço para superá-las, mas o tempo de 60 dias é insuficiente — argumentou o vice-presidente venezuelano, Aristóbulo Istúriz, nesta segunda-feira.

A Venezuela se encontra em uma profunda crise econômica, com uma inflação que pode alcançar 720% neste ano, segundo estimativas do Fundo Monetário Internacional (FMI). Além disso, o país enfrenta severos problemas de escassez e uma forte recessão que pode se agravar ainda mais com a queda do preço do petróleo

Venezuela está agobiada por una desbordada inflación que según estimaciones del Fondo Monetario Internacional podría alcanzar este año 720%, severos problemas de escasez y una fuerte recesión que de acuerdo con los analistas podría agravarse este año por la caída del precio del petróleo — que representa cerca de 94% das receitas de exportação do país.

ver mais notícias