‘O ataque é a 80 metros da minha casa’, conta brasileiro que mora em Bangladesh

DACA — O brasileiro Thiago Soares, que mora a apenas duas ruas do restaurante em Daca atacado por homens armados, contou à rádio BandNews que ouviu explosões e tiros. Segundo ele, a região é bem tranquila e não costuma haver registros de violência. Thiago é casado com uma diplomata.

— O ataque está acontecendo na padaria onde compro pão diariamente, a 80 metros de casa. Todos estavam em casa, porque não costumamos trabalhar na sexta-feira aqui. — conta ele, contando que as informações ainda estão confusas. — Na televisão, falavam primeiramente em três terroristas; agora falam de seis a oito, com 20 reféns. No Facebook, diplomatas contaram terem visto três feridos, com ferimentos no pescoço.

Segundo algumas fontes, o ataque foi a um restaurante espanhol, enquanto outras falam em uma padaria. O governo está limitando as informações.

Rashila Rahim, que mora nos arredores, declarou à rede britânica BBC ter ouvido um barulho alto e depois uma sequência de tiros.

— O vidro da minha sala quebrou. Minha tias, uma prima e duas amigas delas foram no restaurante para o Iftar (quebra do jejum do Ramadan) e ainda não voltaram. Não podemos nem checar com onde elas estão — disse Rashila.

Outro morador do bairro, Tarique Mir, comentou que a região está bastante conturbada por causa do ataque:

— Está o caos. As ruas estão bloqueadas e há duzias de equipes policiais.

O empresário Mohammad Suhrawardy, outro morador das redondezas, contou ao jornal local “The Daily Star” que estava realizando suas preces noturnas quando recebeu um telefonema da família, por volta das 20h40m, alertando sobre o ocorrido.

— Minha família me contou que eles gritaram Allahu Akhbar (Deus é grande) antes de explodirem diversas bombas. As luzes do restaurante estavam apagadas — contou Suhrawardy.

Segundo o relato de Sumon Reza, funcionário da cozinha do restaurante que conseguiu fugir pulando do segundo andar do estabelecimento, os terroristas estavam fortemente armados.

— Eles lançaram coquetéis molotov, desencadeando o pânico. Carregavam pistolas, espadas e bombas. Eu consegui escapar dessa confusão — disse Reza.

ver mais notícias