Hillary mantém favoritismo democrata apesar de derrota em Indiana

WASHINGTON — Mesmo após a derrota de terça-feira nas primárias de Indiana, Hillary Clinton ainda vê um panorama favorável à sua candidatura democrata na reta final das prévias americanas. Com mais de 2.200 delegados na conta, a pré-candidata agora só precisa disputar menos de 20% dos cerca de mil delegados ainda em jogo para confirmar sua indicação partidária. Enquanto sua campanha ja considera sua liderança irreversível, Hillary pode até se dar ao luxo de perder algumas das votações que se estendem até junho.

Como a distribuição de cada estado é proporcional, a pré-candidata democrata soma delegados mesmo quando Sanders ganha. Na terça-feira, Hillary conquistou 37 delegados em Indiana, apesar da derrota para Bernie Sanders. Já o senador de Vermont garantiu 43 delegados no estado.

A vitória foi um importante incentivo para Sanders, que enfrentou uma série de derrotas nas últimas prévias — incluindo estados importantes, como Nova York e Pennsylvania — mas se mantém na corrida à Casa Branca. No entanto, o resultado não afeta a liderança da democrata na disputa contra o senador que, para seus assessores de campanha, já é considerada irreversível. Hillary já tem 2.200 dos 2.383 delegados exigidos para a indicação do partido.

Embora Sanders ainda tenha chances para aspirar à indicação democrata, Hillary já parece focada na possível disputa direta contra seu rival republicano. Em comunicado reconhecendo que Trump é provável candidato republicano, a campanha da democrata voltou a atacar o magnata.

“Ao longo da sua campanha, Donald Trump demonstrou que é muito divisivo e não tem o temperamento para liderar nossa nação e o mundo livre. Com tanta coisa em jogo, Donald Trump é simplesmente um risco grande demais”, disse o chefe da sua campanha, John Podesta.

Enquanto isso, Donald Trump, que também vê o caminho à indicação partidária se abrir ainda mais após a desistência de Ted Cruz, também não poupa ataques à ex-secretária de Estado dos EUA. Recentemente, o empresário americano tem se envolvido em uma série de polêmicas por conta de declarações contra Hillary — que foram classificadas por muitas pessoas como machistas.

— As pessoas têm jogado coisas sobre mim por 25 anos, e aqui estou: a ponto de ser a primeira mulher nomeada por um partido nacional para ser presidente — declarou Hillary recentemente após ter sido chamada de desonesta por Trump.

ver mais notícias