Hackers invadem páginas jihadistas com mensagens de orgulho gay

RIO — Após o massacre na boate gay de Orlando, hackers invadiram páginas de apoiadores do Estado Islâmico no Twitter. O conteúdo jihadista foi substituido por mensagens de orgulho gay. O ataque, que resultou na morte de 49 vítimas, foi reivindicado pelo grupo extremista, enquanto a polícia americana diz que o atirador usou a internet para se radicalizar.

As mensagens publicadas incluem declarações como “Sou gay e tenho orgulho disso” em meio às cores do arco-íris. Um link para um site de pornografia homossexual chegou a ser incluído em algumas das contas, mas sem imagens explícitas — o que, segundo os autores da ação, é um sinal de respeito ao Islã.

Em entrevista à “Newsweek”, um hacker afiliado ao coletivo Anonymous assumiu a autoria da iniciativa. Ele relatou que começou a invadir contas em favor do Estado Islâmico há alguns meses. Mas, desta vez, sua ação foi uma resposta específica ao maior ataque armado da História dos EUA.

— Eu fiz isso pelas vidas perdidas em Orlando — disse o hacker à revista. — O Estado Islâmico está espalhando e glorificando o ataque, então pensei em defender aqueles que se foram. Tirar vidas de inocentes não será tolerado.

Identificado como WauchulaGhost na rede, o hacker afirma já ter invadido mais de 200 contas de apoiadores do Estado Islâmico no Twitter. Ele não contou seu nome ou locação exata, mas disse que vinha dos Estados Unidos — e expressou sua preocupação com as ameaças cada vez mais palpáveis em seu próprio país.

As redes sociais são uma importante ferramenta de propaganda e recrutamento dos jihadistas. O Twitter afirma que já fechou mais de 135 mil contas que promoviam o extremismo desde 2015.

ver mais notícias