Fotos mostram destruição do sítio arqueológico de Palmira, na Síria

PALMIRA, SÍRIA — A destruição do sítio arqueológico de Palmira, cidade ocupada pelo Estado Islâmico (EI) por quase um ano, parece ter sido bem menor que o estimado, revelaram neste domingo soldados e especialistas. O diretor sírio de Antiguidades, Mamoun Abdelkarim, afirmou que “a paisagem geral revela um bom estado” e que Palmira “voltará a ser como antes”. Neste fim de semana, tropas do regime sírio de Bashar al Assad, com o apoio da aviação russa, conseguiram retomar Palmira, conhecida como a “Pérola do Deserto”.

Durante seu domínio, o EI cometeu uma série de atrocidades contra o sítio arqueológico, incluindo a destruição dos templos de Bel e de Balshamin, e de torres funerárias. Soldados sírios e russos, acompanhados de milicianos, caminhavam aliviados neste domingo entre as famosas ruínas de mais de 2 mil anos, mas persistia o temor com possíveis explosivos escondidos no local.

— Estávamos assustados com a ideia de entrar na cidadela e ver tudo completamente destruído — disse um militar sírio que pediu para não ser identificado. — Tínhamos medo, mas quando entramos sentimos um grande alívio.

Abdelkarim ficou surpreso de ver em estado quase intacto várias ruínas, como a ágora, o teatro romano e as muralhas da cidadela, que sofreram apenas pequenos danos.

— Era o diretor de Antiguidades mais triste do mundo e agora sou o mais feliz.

O presidente Bashar al Assad qualificou de “sucesso importante” a libertação de Palmira, cidade cujas ruínas são consideradas patrimônio mundial da Unesco. A tomada de Palmira é a vitória mais importante do regime de Assad sobre o EI desde a entrada da Rússia, em setembro passado, na guerra síria.

Já a cidade moderna de Palmira — onde moravam 70 mil pessoas — não teve a mesma sorte. Prédios foram destruídos e casas ficaram em ruínas na feroz batalha que precedeu sua queda. Palmira parece uma cidade fantasma após quase todos os seus habitantes terem fugido dos bombardeios dos últimos dias.

ver mais notícias