China censura conversa de Elizabeth II sobre ‘autoridades rudes’ de Pequim

LONDRES — O governo da China está censurando a circulação de notícias sobre os recentes comentários da rainha Elizabeth II, que afirmou que as autoridades chinesas são muito rudes na terça-feira. O constrangimento internacional veio após uma conversa particular da monarca ter sido flagrada pelas câmeras. No ano passado, o presidente Xi Jinping fez uma visita oficial ao Reino Unido, em uma iniciativa para estreitar as relações entre Londres e Pequim.

As observações da rainha podem ser um elemento indesejado aos esforços do governo britânico para estimular as trocas comerciais com a China — país que já registrou uma série de tensões históricas nas relações com o Reino Unido. A monarca nunca faz comentários política ou diplomaticamente sensíveis, e é raro que o conteúdo das suas conversas particulares seja revelado.

Na gravação, Elizabeth é vista em uma conversa com Lucy D’Orsi, que foi apresentada à rainha como a autoridade responsável da segurança da viagem de Xi ao país em outubro.

— Oh, que má sorte — respondeu a rainha.

Em seguida, Lucy descreveu as interações com as autoridades chinesas como um desafio. Ela relatou que os oficiais chegaram a deixar uma sala de reuniões a afirmar que a visita estava cancelada.

— Eles foram muito rudes com o embaixador — disse a rainha.

Em Pequim, o porta-voz do ministro das Relações Exteriores da China disse que a visita de Xi ao Reino Unido no ano passado foi extremamente bem sucedida graças aos esforços dos dois países. No entanto, os boletins de notícias controlados pelo governo chinês censuraram as notícias sobre os comentários da rainha.

O porta-voz da rainha também exaltou o sucesso da visita, afirmando que isto só foi possível porque ambas as partes trabalharam juntas para garantir que a viagem procedesse sem intercorrências.

A conversa em um jardim do Palácio de Buckingham entre a monarca e Cameron também gerou mal-estar por causa dos comentários do premier. Ele foi gravado dizendo que líderes de alguns países “fantasticamente corruptos”, incluindo Nigéria e Afeganistão, irão participar de um encontro de cúpula sobre o tema.

ver mais notícias