Cameron pensa em usar Tinder para campanha contra saída da UE

LONDRES — O primeiro-ministro britânico, David Cameron, cogita em utilizar o Tinder, um aplicativo para quem quer encontrar um par amoroso, com um objetivo bastante inusitado: conquistar votos em favor da permanência do Reino Unido na União Europeia (UE). Enquanto o referendo que decidirá se o país fica ou deixa o bloco europeu se aproxima, começa a valer quase tudo na tentativa de envolver os jovens na campanha do premier. Isso poderá incluir fazer propaganda nos aplicativos de celular mais populares.

Ao “The New York Times”, um porta-voz de Downing Street negou os rumores iniciais de que Cameron entraria efetivamente como membro do Tinder ou do TheLADbible, um site de fotos e vídeos que tem os homens de 16 a 30 anos seu público-alvo. No entanto, os assessores do premier confirmaram que estão explorando as possibilidades de fazer propaganda nos dois serviços, além de outros caminhos “descolados” para levar os jovens às urnas.

Na semana passada, Cameron se reuniu com representantes de redes sociais, como o Facebook e o Twitter, para incentivar sete milhões de pessoas abaixo dos 40 anos a se registrar para votar antes do referendo, que será realizado no dia 23 de junho. Pesquisas de opinião indicam que dois terços dos jovens até 25 anos preferem continuar no bloco europeu, além de serem mais dispostos a sair de casa para comparecer às urnas.

A dura disputa política envolvendo o Brexit (termo para abreviar “British Exit”, que significa “Saída Britânica” em português), no entanto, envolve outras figuras políticas que defendem que o Reino Unido será ais independente fora da UE. Dentre eles, inclui-se Boris Johnson, ex-prefeito de Londres, que também vem investindo na campanha com os jovens.

Em discurso para cerca de 500 jovens britânicos, Barack Obama pediu durante uma viagem ao Reino Unido que a juventude britânica não se afaste do mundo. A declaração veio como uma nova defesa do presidente americano da permanência do país na UE.

— Pensem em quanto isto é extraordinário: por mais de 1 mil anos, este continente foi escurecido pela guerra e pela violência. Isso não foi devidamente reconhecido — afirmou o presidente à plateia de jovens britânicos. — Nós vemos novos pedidos pelo isolamento e pela xenofobia. Quando eu falo aos jovens, eu imploro a eles, eu imploro a vocês, que rejeitem pedidos de afastamento.

ver mais notícias