CM7

     
 
 
Manaus, 19 de outubro
Mercado financeiro
Dólar
Euro
 
 
Home / Últimas Notícias / Mundo / Brasil se torna co-patrocinador do plano argentino para crise venezuelana

Brasil se torna co-patrocinador do plano argentino para crise venezuelana

Da redação | 01/06/2016 15:50

WASHINGTON — Em reunião entre líderes da Organização dos Estados Americanos (OEA), o Brasil e outros dez países se tornaram oficialmente co-patrocinadores da solução argentina para enfrentar a crise da Venezuela. A decisão vem como uma tentativa de vencer a resistência venezuelana ao plano alternativo da Casa Rosada. Os venezuelanos estão dispostos a apoiar a iniciativa, mas Caracas não gostou da proposta argentina ser co-patrocinada pelos Estados Unidos.

Uma fonte diplomática afirma que a proposta argentina reconhece a Venezuela como parte da solução. Até o momento, os países que apoiaram o plano na reunião da organização são: EUA, Barbados, Costa Rica, Canadá, Brasil, Honduras, Mexico, Guatemala, Peru, República Dominicana e Uruguai.

A ideia da Casa Rosada é propor algo em comum acordo com o governo de Caracas, o que contrasta com o projeto apresentado ontem pelo secretário-geral da entidade, Luis Almagro, que quer evocar a Carta Democrática contra o país e pediu uma reunião entre os dias 10 e 20 de junho. De acordo com a proposta, a OEA faria um “oferecimento fraterno” à Venezuela para uma ação que busque soluções em um “diálogo aberto e inclusivo” dos diversos atores políticos e sociais do país.

No início do encontro, o embaixador da Venezuela na OEA, Bernardo Alvarez, afirmou que analisa uma declaração do organismo continental sobre a situação do país. Ele sustentou que qualquer solução tem de passar pelo governo de Maduro:

— O ponto central é que, se querem apoiar a Venezuela, é preciso apoiar o seu governo legítimo e constitucional, pois na Venezuela há um governo legítimo e constitucional e qualquer decisão sobre o país precisa partir deste governo — disse.

​O representante brasileiro na OEA, embaixador José Luis Machado e Costa, afirmou em seu pronunciamento que a Venezuela sempre pode contar com o apoio do Brasil, mas que ​​é preciso garantir os direitos humanos “para todos os venezuelanos”:

— A proposta apresentada pela Argentina traduz o firme compromisso com os princípios consagrados pela OEA, respeita o Estado de Direito e a ordem constitucional na Venezuela e abre o espaço para o entendimento — disse o brasileiro.

A proposta ainda respalda a atuação de três ex-presidentes — José Luis Rodríguez Zapatero (Espanha), Leonel Fernández (República Dominicana) e Martín Torrijos (Panamá) — que tentam estabelecer um diálogo entre o governo e a oposição venezuelanos. A medida prevê também uma coordenação com outras frentes de negociação que estão surgindo.

Ainda não há previsão se algum documento será aprovado e nem mesmo que horas pode acabar esta reunião do Conselho Permanente da OEA. O secretário-geral da entidade, Luis Almagro, não participa dos debates.

A reunião do Conselho Permanente da OEA começou com uma hora e quinze de atraso. Neste período, tentava-se fazer apenas uma única reunião para tratar de Venezuela, mas não houve acordo. Assim, haverá uma reunião que vai tratar da proposta argentina, e outra a tarde, com uma posição da Venezuela. Isso indica que um acordo para que exista um consenso na proposta argentina está distante.

Almagro evocou a Carta Democrática, indicando que vê uma “alteração constitucional” que ameaça a democracia na Venezuela. Foi a primeira vez que um secretário-geral da OEA evocou o documento. Segundo a sua proposta, os países precisam aprovar novas gestões diplomáticas e, caso isso não dê resultados, uma assembleia da OEA poderia decidir pela suspensão do país do organismo continental.

Anuncie em Nossas Pesquisas
Anuncie em Nossas Pesquisas

FAÇA SEU COMENTÁRIO SOBRE ESTA NOTÍCIA