Austríacos vão às urnas para escolher novo presidente

VIENA — Neste domingo, os austríacos comparecem às urnas para as suas eleições presidenciais. A votação pode deixar de fora da disputa os dois grandes partidos do país — o Partido Socialista e Partido Conservador, que governam em coalizão desde 2008 — em benefício de um ecologista e de um candidato de extrema-direita. Quase 6,4 milhões de eleitores devem escolher o sucessor do social-democrata Heinz Fischer, que está no fim de seu segundo mandato. Nenhum dos seis candidatos parece ter condições de vencer no primeiro turno.

De acordo com as pesquisas, a votação pode eliminar os candidatos dos dois partidos tradicionais. O ex-ministro social-democrata (SPÖ) Rudolf Hundstorfer aparece com 15% das intenções de voto, enquanto o ex-presidente conservador (ÖVP) do Parlamento Andreas Khol tem 11%.

Previsto para 22 de maio, o segundo turno terá como favoritos o ex-líder do Partido Verde, Alexander Van der Bellen (26% das intenções de voto), e o candidato do partido de extrema-direita FPÖ, Norbert Hofer.

Em Viena, a taxa de participação no primeiro turno alcançava 11, 82% pela manhã — índice 1,25% mais alto que as eleições municipais de outubro. Todos os candidatos presidenciais votaram na primeira hora após a abertura das urnas.

Embora o papel do presidente austríaco seja essencialmente honorífico, o fracaso dos candidatos dos grandes partidos poderiam vir como um alerta ao chaceler Werner Faymann (SPÖ) e ao vice chanceler Reinhold Mitterlehner (ÖVP), cujos mandatos terminam em 2018.

Os dois partidos controlam a presidência austríaca desde a Segunda Guerra Mundial — seja com membros dos partidos ou com candidatos independentes apoiados por eles. Os colégios eleitorais se encerrarão no fim da tarde deste domingo.

ver mais notícias