CM7

     
 
 
Manaus, 19 de outubro
Mercado financeiro
Dólar
Euro
 
 
Home / Últimas Notícias / Mundo / Assad se recusa a sair do poder durante negociações de paz

Assad se recusa a sair do poder durante negociações de paz

Da redação | 12/03/2016 10:40

DAMASCO — O governo sírio disse neste sábado que não vai admitir contestações à liderança do país, afirmando que o presidente Bashar al-Assad é uma “linha vermelha”. A declaração foi feita em uma comunicado que confirmou a participação do governo de Damasco nas negociações de paz promovidas pela ONU a partir de segunda-feira até o dia 24.

— Nós não vamos falar com qualquer um que se refira à posição de presidente. Bashar é uma linha vermelha, a propriedade do povo sírio — disse o chanceler Walid al-Moualem, durante uma entrevista coletiva em Damasco. — Aconselho a vocês que, se é isso que eles pensam, não compareçam às negociações. Esses delírios devem ser abandonados.

O principal grupo de oposição síria acusou Assad de dificultar as conversações de paz antes mesmo de seu início.

— Acredito que ele está colocando os pregos no caixão de Genebra — comparou Monzer Makhous, membro do Comitê Superior de Negociações, à rede de TV árabe al-Arabiya Al Hadath, em resposta às declarações do chanceler sírio. — Moualem está freando Genebra antes mesmo de seu início.

De acordo com os grupos de oposição a Assad, as negociações de paz na Suíça serão baseadas em três pontos: “um novo governo inclusivo, uma nova Constituição e novas eleições, que ocorrerão daqui a 18 meses a partir do início dos diálogos”. Segundo estas entidades, já “não há lugar” para Assad no poder do país.

Em visita à Arábia Saudita, o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, incentivou as negociações de paz na Síria e afirmou que a violência na Síria foi reduzida em 80% a 90%.

— A queda do nível de violência é muito, muito significante, e queremos continuar com esta redução. Mas deixamos muito claro que o regime de Assad não deve explorar esta situação. Paciência tem limite.

As primeiras negociações de paz foram realizadas em 2014 e fracassaram, diante da recursa de Assad em deixar o poder. A guerra civil síria já dura cinco anos e, neste período, cerca de 270 mil pessoas foram mortas ou feridas.

Anuncie em Nossas Pesquisas
Anuncie em Nossas Pesquisas

FAÇA SEU COMENTÁRIO SOBRE ESTA NOTÍCIA