Fraude em concurso público: Vaga para delegado custava até R$ 349 mil

Cinco pessoas foram presas e o certame pode ser anulado, no decorrer das investigações

A Polícia Civil de Goiás prendeu, na segunda-feira (13), cinco pessoas suspeitas de fraudar concurso para Delegado da Polícia Civil no Estado de Goiás. As prisões são decorrente da Operação Porta Fechada, que investiga as denúncias sobre o processo seletivo que visa preencher 36 vagas para o cargo de delegado de polícia substituto. Há a possibilidade de o certame ser anulado.

Na noite de domingo (12), data da realização das provas, equipe de policiais civis da Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Contra a Administração Pública (Dercap) surpreenderam um dos aliciadores e candidatos suspeitos de participação na fraude.

A polícia afirma que chegou aos suspeitos após a denúncia de um candidato que estranhou a quantidade de pessoas com notas altas no certame. O desempenho dos candidatos chamou a atenção da equipe de investigação.

Segundo o coordenador da Operação Porta Fechada, delegado Rômulo Figueiredo, um dos aliciadores e os candidatos que participaram do esquema confessaram a prática do crime.

Eles detalharam como funcionava o esquema: duas pessoas eram responsáveis por aliciar e encontrar pessoas interessadas no esquema. Costumavam ir a cursos preparatórios no Distrito Federal e Entorno, região com grande número de concurseiros.

Um terceira pessoa seria responsável por fazer os contatos com pessoas influentes e dar seguimento à fraude. A Polícia confirmou que foram realizados pagamentos de até R$ 349 mil por aprovação, indicando um perfil de “candidatos” fraudulentos de alto poder aquisitivo.

Em uma entrevista coletiva, o delegado Álvaro Cássio afirmou que as investigações continuam até que todos os membros da quadrilha sejam identificados. E sinalizou que o concurso pode ser suspenso ou até mesmo cancelado. “Tudo vai depender do andamento das investigações”, afirmou. (Com informações Polícia Civil do Goiás)

ver mais notícias