Dançarina conhecida como Mulher Pimenta é condenada por deixar cliente cego

Durante uma apresentação em Goiás, ela acertou um chute com sapato de salto agulha no olho de um homem que a teria tocado em suas partes  íntimas

Um caso inusitado que tramitar a mais de três anos na Justiça de Goiás, chegou ao seu desfecho na cidade de Aparecida de Goiânia. A dançarina erótica Karina da Silva, conhecida como Mulher Pimenta, foi condenada em fevereiro, juntamente com o dono da casa de show em que ela se apresentava, por deixar um cliente cego de um olho. Terão de pagar uma indenização de R$ 190 mil ao homem, mais pensão vitalícia (para o resto da vida).

O fato aconteceu no feriado de 7 de setembro de 2013. De acordo com os registros policiais, Karina fazia um show de dança erótica na casa noturna Roma Shows, localizada na BR-153, no município goiano. Ela alega que teria sido tocada pelo homem enquanto estava de quatro no palco. Em um ato reflexo ao toque, deu um chute para trás, acertando a vítima com o salto agulha do sapato que calçava.

“Ele enfiou o dedo na minha vagina”, contou aos policiais. A vítima, Daniel de Arruda, teve o olho afundado e perdeu a visão do lado esquerdo por conta do impacto. Além disso, o globo ocular foi retirado e precisa ser substituído por uma prótese.

Daniel entrou com ação judicial contra a dançarina; o proprietário da casa noturna à época, Belchior Bernardes; e o próprio estabelecimento. Pediu indenização de R$ 2 milhões por danos morais materiais e estéticos.

O processo correu na 1ª Vara Cível da comarca de Aparecida de Goiânia e, em primeira instância, o juiz Jonir Leal de Sousa condenou os réus a pagarem indenização de R$ 100 mil por danos morais e R$ 90 mil por danos estéticos. Além disso, foram sentenciados a depositar pensão vitalícia no valor de um terço do salário mínimo a Daniel, arcar com os custos de prótese para o olho e pagar os honorários do advogado que o representou no caso.

Insatisfeita com a decisão, Karina entrou com recurso. Alegou que o chute causador dos ferimentos foi involuntário, sem intenção de machucar.

A dançarina afirma não ter condições de pagar a indenização. “Não tenho registro em carteira, não tenho casa própria, não tenho nada”, disse. Ela insiste que o episódio foi um acidente. “O cara é que me acertou; me tocou; eu apenas tive um reflexo. Foi algo que eu nem fiz por querer”, argumenta a mulher, que ainda não foi notificada da decisão.

O advogado de Daniel Arruda considera que, mesmo com a vitória judicial, a pena foi aquém do que o seu cliente esperava. “O juiz reduziu muito o valor da indenização. O que vale uma vida hoje?”, questiona Balbino dos Santos.

De acordo com o defensor, o cliente ainda não implantou a prótese no olho e, caso não faça a cirurgia este ano, corre o risco de perder a visão também do lado direito.

 

ver mais notícias